Se apega, sim?

Escute enquanto lê:

IMG_6981.JPG“Você não é aquela desapegada?”, “A menina que escreveu aquele livro contra o amor!”, “Ai, você precisa me ensinar a ser desapegada!!”. Oie. Tudo bem com vocês? 🙂 Comecei esse lindo texto com as frases que mais escuto  no meu dia a dia. Às vezes dou um sorriso amarelo, e deixo pra lá, sabe. Prefiro deixar a pessoa achando que o desapego que eu prego nas minhas obras é bem esse mesmo, “pega e não se apega, UHUL, que vida boa!”.

Seria tudo mais fácil se eu fosse realmente assim, né?

Só que eu não sou. 

Quem me acompanha nas coisas que eu escrevo, sabe muito bem que o desapego que eu sempre preguei é o desapego das coisas que nos fazem mal, que nos colocam para baixo. Mas e quando a gente encontra algo bom? Como que faz? Se apega, sim? Agarra, sim? Diz que ama ele, sim?

E aí é que tá o X da questão: eu simplesmente não sei o que fazer.

Se eu vivesse na época da minha avó as coisas seriam bem mais fáceis. Juro. Eu seria apresentada pra sociedade, conheceria o homem da minha vida (que provavelmente moraria na casa ao lado e já seria meu amigo de infância) e estaríamos predestinados a sermos felizes para sempre correndo pelos campos verdes. Eu não teria medo algum de me entregar pra ele, qual é, estaríamos no século passado. Ele também se entregaria a mim.

Sem isso de geração do desinteresse. Sem joguinhos. Sem medo de se decepcionar. Sem ansiedade para saber se ele está online porque está conversando com você ou dando em cima de mais duas outras. Sem o arrependimento de dizer o que você sente e ter seus sentimentos esmagados pelas expectativas não cumpridas.

Sem MEDO.

Sabe porque temos medo quando conhecemos alguém que balança o nosso coração e a nossa vida? Porque com coisas ruins nós sabemos lidar. Infelizmente. Sei despachar um embuste com um pé nas costas, enquanto faço um café. Mas quando aparecem coisas boas na minha vida eu fico sem reação. É isso. Eu congelo. Me sinto novamente no colégio quando passava a noite decorando a matéria da prova e de repente me dava um branco.

Digo que o sorriso dele gira meu mundo ou deixo pra lá e só sorrio de volta? Dou mais um beijo ou vou parecer muito grudenta? Confesso que escrevi nossos nomes numa folha de papel só pra ver se ficavam bonitos lado a lado ou vou parecer uma louca? Peço a hora do nascimento dele pra fazer o mapa astral ou finjo que nem ligo pra essas coisas de signo? Falo que gosto de namorar ou bato no peito e digo que estou muito bem sozinha, obrigada? Respondo em 1 segundo ou em 10 minutos? Peço para ele ficar mais um pouco ou a vida toda?

Gosto de dizer a meus amigos que sou aquela medrosa corajosa. Digamos que eu sinta o medo, mas goste de enfrentá-lo. É. É isso. Acho que consegui definir legal. E em meio a todos esses questionamentos do que fazer, quando fazer, se devo fazer… Eu escolho a opção mais idiota possível.

Seguir meu coração.

Qual o problema de seguir meu coração? Ah. É que ele é impulsivo. Idiota. Anseia por viver todas as sensações a 200 km por hora, e não tem medo algum de bater com a cara no muro.

E lá vamos nós de novo. E de novo. Quantas vezes for preciso.

Olho alguns segundos para a conversa aberta no meu Whatsapp, e aperto o botão enviar. Aquelas quatro palavrinhas flutuando na minha frente…

“Eu te amo, tá?”

É só um murinho. Nem vai doer tanto assim.

Advertisements

85 thoughts on “Se apega, sim?

  1. Caracaaaa fiquei mega empolgada com esse texto. Já fiquei imaginando como seria o seu próximo livro. Com o título ” SE APEGA, SIM!? ”
    Meu, seria de mais.. anciosa! ❤ Isa sua linda, mulher maravilhosa!

    Like

  2. Tu publicasse esse texto aos 25 do segundo tempo. Ainda há tempo para concertar e corre atrás de tudo que ainda não fiz. Muito obrigada e senti como um parabéns de aniversário, obrigado mesmo Isa ❤

    Like

  3. Tenho uma amiga q costuma dizer q eu me pareço com vc, ela conheceu seus livros através do mim, qua do ela leu dss q era com c estivesse falando cmg, eu adoro seu trabalho e eu concordo muito com oq vc diz, nós somos corajosas mais ao msm tempo temos medo, pq as vezes o medo torna as coisas mais interessantes…
    Love you Bela ❤

    Like

  4. Oi Isa li dois livros seu o “Não se apega, Não” e o “Não de Iluda, Não”, ambos maravilhosos, estou iniciando agora com um blog também, me espelhei em você, quis compartilhar minha vivencia com as pessoas tambem, espero que um dia você lei meu blog bjs

    Like

  5. Isaaaaa a única palavra que eu encontro pra te descrever é MARAVILHOSA. Amo seus livros e a sua maneira de escrever sobre tudo ♡♡♡ Estou apaixonada!!!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s