CATEGORIA: Listas

As 15 melhores cenas de todos os tempos de Gossip Girl

large-4Oi, gente. Hoje acordei com uma saudade IMENSA de Gossip Girl, nossa. Blair, cadê você menina? Serena, volta aqui com seus looks maravilhosos. Jenny, que saudade de te odiar! E Chuck... Meu Deus. Vem falar no meu ouvido alguma coisa perigosa. Então eu pensei "Tenho que fazer algum post homenageando Gossip Girl", e nada melhor do que reunir nossas cenas preferidas e relembrar com gosto dessa época maravilhosa que foi ter GG em nossas vidas.

Pedi ajuda ao pessoal lá do Facebook, e consegui reuniar as 10 melhores cenas de todos os tempos de Gossip Girl. Vamos assistir?

1- Blair e Serena no aeroporto.

2- "Porque eu a amo, e não posso fazê-la feliz."

3- “Nunca ouviu falar? Eu sou a vadia maluca das redondezas."

4- Chuck finalmente admite que ama Blair.

5- A famosa cena do sexo no piano.

6- A famosa briga de Serena e Blair na faculdade.

7- "Acima de tudo, sinto muito por desistido de nós. Você nunca desistiu."

?

8- Chuck revela que gosta de Blair pela primeira vez.

9- "Eu vou sempre te amar."

10- "Destruí a única coisa que já amei."

11- "Você pode dizer a Jesus que a vadia está de volta."

12- Cena do sexo de Blair e Chuck na limosine.

13- Beijo Serena e Nate na festa do branco.

?

14- Momento em que toca Apologize do OneRepublic na série.

15- 3 palavras. 8 letras.

Gostaram desse "remember"? Esqueci de colocar sua cena preferida? Coloca aqui embaixo nos comentários <3

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

5 dicas para fazer um relacionamento à distância funcionar

large (96)

Eu era completamente cética quanto a eficácia de um relacionamento que não fosse lado a lado na maior parte do tempo. Tinha essa miserável ideia que pra me sentir amada, tinha que ter contato, tato, cheiro. Sabe, eu não estava completamente errada. É preciso mesmo ter essa química, essa coisa de pele. Quer dizer, pelo menos enquanto estiverem juntos e o suficiente pra dar saudade quando estiverem afastados. Mas isso não é o bastante, não é o alicerce verdadeiramente necessário pra uma relação perdurar. E digo isso porque já paguei pela língua tantas vezes quanto nem sequer me lembro mais!

A nova geração de Romeus e Julietas tem como empecilho pra viver esse amor arrebatador passagens aérea a preços de sete esferas do dragão, escalas intermináveis em aeroportos que lhe renderiam facilmente um phd como comissários de bordos e o sistema “pisa e alisa” da internet.

Ou seja, ora te conecta com o amado e ora te transporta ao submundo da insegurança onde é chicoteado pelo ciúmes. Em outras palavras: não é fácil. E, mesmo assim, mesmo com a angustia, com a saudade, com o medo de ser trocado por alguém que possa “dar mais assistência” – finja que não leu essa parte – o amor prevalece. Lindo, né?

Então, aqui vão as dicas pra quem está passando por essa fase:

1) Palavra de honra.

Infelizmente, não dá pra ter aquela segurança monstra nem quando você sabe o que a criatura está fazendo vinte e quatro horas por dia, imagine sem fazer ideia se ela está realmente fazendo o que diz, diz o que faz, faz o que diz que faz, diz o que faz que diz que faz (vezes infinito). A má notícia é que um relacionamento convencional também é assim, e a boa notícia é que isso é confiança e, se não houver, ainda que vocês unam seus cordões umbilicais, não vai funcionar. Logo, supere a necessidade de stalkia-lo, a dependência de saber seus passos e, principalmente, a mania de pedir provas de veracidade e simplesmente acredite na palavra dele. Claro que às vezes você vai achar muito estranho, e vai ficar com a pulga atrás da orelha, mas procure não pensar sobre isso. Procure não tirar a prova dos nove rastreando a localização, por favor. Se você não acreditar piamente que ele tem mais a perder TE perdendo, como pode querer que ele mesmo acredite nisso?

2) Abuse dos clichês.

Tem coisa mais brega do que um carro de loucura de amor em frente à sua casa? Tem coisa mais piegas do que uma faixa de declaração na entrada do seu trabalho? Tem coisa mais tosca do que apelidos vergonhosos ditos em público? Tem coisa mais constrangedora do que ser sensual-sexy-fatal pelo telefone? Tem coisa mais clichê do que receber um buquê de flores? Tem coisa mais boba do que acordar e dormir com mensagens fofinhas? NÃO TEM E NÃO ME IMPORTA. QUERO TUDO! Porque se não puder alimentar o ego, você alimenta a saudade, e a saudade alimenta a insegurança e tudo vira uma desgraça. Então, sim, demonstrações públicas de afeto SÃO mais importantes quando você não tem aquela conexão sex appeal com uma simples troca de olhares.

3) Façam coisas simultaneamente.

Essa é muito brega. Sério. Eu faria isso trancafiada no porão de uma casa na Guatemala com três rottweilers de vigia. Um deles chamado Fred. Enfim, a questão é que por mais que você ache que não precisa fazer isso, ou é coisa demais assistir um filme juntos, porém sem estar juntos, é na verdade bem legal. Afinal, pra fazer funcionar é preciso criar o sentimento de estar junto, conectado. Sem falar que traria diversão para o casal também. No mínimo, poderiam rir disso depois.

4) Tirem todo proveito possível da internet.

Ao invés de só usa-la pra vigiar o que o outro faz e tê-la como pivô de brigas baseadas em curtidas de pessoas aleatórias no instagram, que tal, fazê-la uma aliada? Além dos aplicativos que todo mundo conhece e basicamente, por si sós, já monopolizam sua vida, ainda tem outros atributos que podem ajudar, como o Google Street, por exemplo. Você pode mostrar a cidade que foi visitar ou algum bar que gosta de frequentar, uma vista que acha bonita. Um pouco de criatividade e um celular que não trave toda hora depois da última atualização do whatsapp na mão e não há limites de onde podem chegar. Quer dizer, há o limite do cartão de crédito, mas não vamos falar disso agora

5) Tenham um objetivo juntos.

Isso é uma coisa boa e uma coisa ruim em um relacionamento assim. Boa porque impulsiona o casal a pensar por dois, qualidade que muitos casais que já estão juntos há anos ainda não aprenderam como funciona. E ruim porque força o casal a pensar por dois, e vamos combinar, nem todos aqueles que decidem entrar na empreitada de um relacionamento à distância estão prontos pra enfrentar a vida conjunta de verdade. O que gera um esforço muito maior de ambas as partes e um desgaste da relação. Porque infelizmente é a vida. Mas a questão é não desanimar, ser otimista quanto as expectativas e nutrir os planos juntos. Fazer uma contagem regressiva traz a ansiedade à tona e um punhado de sentimentos bons que motivam a continuar.

Hoje em dia, eu acredito que no momento em que você encontrar aquela pessoa companheira, compromissada, e disposta a fazer dar certo com você, não tem cidade, continente e nem novas experiências que abalem. Parece ser um pensamento bem “princesa da Disney”, mas na verdade é bem mais que isso. Claro que tem relação com a ideia de ter encontrado O cara, mas tem mais a ver com a sua autossatisfação. Uma relação que te faz sentir bem consigo mesma é simplesmente a base pra qualquer adversidade. Me parece muito pouco se preocupar com o que ou quem a outra pessoa vai se relacionar se você já tem entendimento suficiente pra ver que juntos são mais fortes do que separados. Se vocês conseguem traçar um plano de vida, seja a curto ou longo prazo, mas fazem isso juntos, então como alguém ou algo seria capaz de interferir nisso? A paixão, que dizem ser repentina, não vem a quem não dá oportunidade. E por que alguém daria oportunidade pra outra pessoa ou abriria a porta de um desejo, se já tem quem lhe supra em termos muito superiores aos físicos?

Na verdade, manter um relacionamento a distância não só é uma prova de fogo como um teste de maturidade. E eu aplaudo de pé quem se mantém firme ano após ano. Acho admirável que tenham se colocado em um “pedestal” em que nada, nem ninguém, consegue prejudicar. Poxa, tem tanta gente que tem a oportunidade de estar com quem gosta todos os dias ou, sei lá, simplesmente quando dá vontade e desperdiça muito desse tempo junto discutindo, arranjando motivos pra brigar, pra provocar ou fingir ciúmes, pra exigir atitudes medíocres que te supram a necessidade de ser amado. E tem uma minoria de coragem louvável que pôs o medo do fracasso de lado, arriscou tudo que tinha por saber que nada vale tanto quanto está com quem gosta – da forma que seja – e bravamente lutou. O que pode ser mais importante do que colocar o sentimento à frente da angustia da saudade? Pra fazer dar certo é preciso trocar as promessas por planos, a vontade por atitudes, dar asas ao coração e não ter medo da queda.

Escrito por Samantha Silvany

Autora do site Bendita Cuca!, e Youtuber nas horas vagas. Não contém um sorriso ou detém um devaneio. Criou o BC! para conseguir suportar a convivência consigo mesma. Ou para um tratamento psicológico gratuito. Ou os dois. Acredita que todo mundo precisa de um grande amor para chamar de próprio.

7 motivos pelos quais vale a pena se apaixonar outra vez.

image

É um tremendo alívio culpar o tempo pelos desencontros e se afastar maldizendo a distância, confesso. Mas o nome disso é comodismo. Manter alguém em sua vida dá muito mais trabalho e exige que cumpra essa promessa meia boca de um encontro pra matar a saudade. Você realmente teria que ser a pessoa que acredita que é quando demonstra qualquer carinho fajuto ao ouvir o nome de alguém. E que, na verdade, não se esforça em nada pra dizer que lembrou dela. Como se contato funcionasse por telepatia, você se afaga na ideia de que fez sua parte e assim, antes que perceba ou na verdade se importe, se tornou uma lembrança boa, ao invés de alguém presente. E você deixou que isso acontecesse, não deixou? Mas e se tivesse ligado quando ouviu aquela música e lembrou dela? E se tivesse dedicado um pouco do seu tempo a perguntar com real interesse como vai a sua vida? E em meio a tantos “e se” se perdeu o afeto, o interesse. Se perdeu no tempo.


Se apaixonar é um desafio diário. É a prova de que, na verdade, ao contrário do que querem lhe fazer acreditar, o sentimento é atemporal. Você pode se tornar seletivo, sem se tornar descartável. Você pode implicar a ponderação, sem se tornar indiferente. No final das contas, sempre vale a pena ser um colecionador e, não, só parte do esquecimento de alguém. Por via das dúvidas, que os motivos abaixo lhe sirvam como lição ou, pelo menos, incentivo.

1) Você não individualiza a felicidade.
Ser feliz pelo outro é uma das melhores maneiras de se sentir feliz. Concentrar toda sua satisfação em si mesmo, nas suas próprias conquistas, não só te torna totalmente responsável por fazer da alegria uma constante, como te faz um medíocre solitário.

2) Você mensura os efeitos de suas ações a alguém.
Há bilhões de formas de interpretações de uma única atitude e, sinceramente, de boas intenções o inferno está cheio. Ficar atento as consequências é, acima de tudo, um sinal legítimo de respeito. O grande problema das pessoas está em avaliar, simplesmente, até onde são afetadas. Tão egoístas quanto cegas, ignoram o efeito dominó. Ampliar sua visão é também se pôr no lugar do outro. Isso não é apenas pra te ensinar a ser altruísta, é pra te lembrar como ser humano.

3) Descobre o verdadeiro tamanho da importância.
O que é importe pra você pode não ser – e provavelmente não é – de igual influência para outro. Você aprende a respeitar as diferenças, valorizar as gotas quando se fizerem tempestade pra alguém. Mas, sobretudo, entende que cada um tem o fardo que suporta carregar e não lhe cabe o direito de julgar o peso.

4) Adquire prioridades reais.
Não vai mais fazer amigos por conveniência, manter conversas por empatia, nem parceiros por semelhanças. Quando alguém te importa, você valoriza quase que de forma natural as suas verdadeiras qualidades. Trata-se do caráter, da personalidade, da índole. Enxergar alguém como ela realmente é e, não, como aparentemente demonstra.

5) Aprende a ouvir.
Uma grande verdade é que toda conversa vale a pena. Nem que seja pra te deixar confiante de que não concorda com nenhuma palavra que ouviu, vale a pena. Principalmente, aquelas que te farão discordar, arrancar os cabelos, se encher de raiva, são as que lhe farão pensar mais e inevitavelmente te ajudarão a consolidar sua opinião. Qualquer pessoa tem algo de bom a te ensinar, ainda que deixe um rastro de mágoas. Pra quem não nutre rancor lhe sobra aprendizado.

6) Aprende a aceitar suas derrotas.
Desmitificando o ditado “enquanto um chora, o outro ri”, é louvável a capacidade de não se ater a suas falhas diante das vitórias do outro. Reconhecer em alguém os motivos pelos quais o fizeram estar numa posição melhor do que você, ou ser promovido no seu lugar, é ser humilde no ponto mais alto da palavra. Afasta qualquer despeito contido na arrogância da vitória.

7) Se desfaz de suas obrigações
O que não lhe custa nada, não lhe custa nada mesmo. Portanto, esqueça essa ideia de que suas ações têm partes dispostas e que sequer há uma obrigação sua perante elas. Faça tudo que estiver ao seu alcance, faça além do que manda o figurino. Faça, simplesmente, tudo que não lhe custar nada. Relacionamentos não tem que ser uma troca justa de favores, não tem que ser o famoso “uma mão lavando a outra”. Tem que ter suas atitudes feitas por completa satisfação em executá-las. Tem que ter a tranquilidade de fazer tudo que podia para tornar algo melhor, pra se fazer melhor e pra ser melhor pra alguém. Principalmente, pra que seja merecedor do melhor que puderem fazer por ti também.

Escrito por Samantha Silvany

Autora do site Bendita Cuca!, e Youtuber nas horas vagas. Não contém um sorriso ou detém um devaneio. Criou o BC! para conseguir suportar a convivência consigo mesma. Ou para um tratamento psicológico gratuito. Ou os dois. Acredita que todo mundo precisa de um grande amor para chamar de próprio.

10 coisas que ninguém lhe diz sobre relacionamentos

large-451

Sempre tive preguiça desses encontros tão iguais. A verdade é essa. Todo esse papinho de levar para jantar, de bancar o bom moço, me cansa. Parece que as pessoas têm se tornado cada vez mais montadas, fingidas. Endeusando sentimentos forjados na esperança de se sentirem especiais para alguém. Porque, no fundo, o que elas querem não é se apaixonar - como dizem - mas ter quem se apaixone por elas. Coisa de ego, coisa de menino. Inocência de quem ainda tem medo de ser aquele que ama demais, que se doa demais, e acha que esse é o lado fraco da relação. Não acredito nessas mudanças totais, sabe? Que um pau que nasce torto milagrosamente vai ficar retinho. Mas acredito que o amor seja o maior combustível para essa mudança ou, pelo menos, a vontade de fazê-la. Afinal de contas, tem que ter vontade. Tem que ter querer.

Você precisa estar disposta a mudar, a se conhecer, a melhorar. Você precisa querer isso para ser feliz com quem quiser, mas principalmente consigo mesma. Por isso, para evitar o desgaste causado por joguinhos, você precisa saber o que ninguém tem coragem de admitir.

1) Mandar mensagem assim que acorda, perguntar tudo sobre como foi seu dia, insistir pra lhe ver várias vezes na semana e fazer planos em voz alta de futuro é muito fofo, não é? SE você estiver apaixonada por quem o faz. Do contrário, como é que essa criatura não se tocou ainda que se você não está puxando assunto é porque você não está interessada NELE? Ou seja, a mesma atitude, na mesmas circunstância, para ser boa ou ruim só depende da visão de quem a recebe. Sabe aquela surpresa que você tem pensado em fazer para? Pois é, não faça até ter certeza de que ele não chamará a polícia achando que você está perseguindo-o. Quem sabe, armada. Só por precaução. Nem tudo é que parece ser, mas é o que você pensar que seja, entende? Uma atitude, qualquer que seja, pode ser encarada como algo romântico se a pessoa estiver apaixonada ou algo assustador se a pessoa não estiver interessada.

2) Tem gente que é alérgica à camarão a tal ponto que somente o cheiro é capaz de lhe empolar da cabeça aos pés. O que fazer sobre isso? Nada! Há milhões de outras coisas muito gostosas que ela pode comer. O que é um mero camarãozinho perante a infinidade do universo, certo? Não. Han-han. A desgraçada da alérgica quer camarão. Certas pessoas só aprendem depois de ter dado a cara à tapa (e apanhado à beça). A expectativa que criam em cima de uma coisa que não podem – ou não devem ter – é a desculpa perfeita para sentirem pena de si mesmas. Não deu certo com o coração? Bola pra frente! Há tantos peixes no oceano.

3) Aqui vai a verdade suprema: qualquer pessoa que você não considere atraente, com o tempo, tende a se tornar. Porque quando a gente cria afeto por alguém, mesmo se fraternal, não conseguimos mais acha-lo a palmatória do diabo ao avesso de antes, entende? O que é algo maravilhoso. Principalmente, se você é esse alguém e se aproveita da sua bomba relógio para ser extremamente legal até conquistar quem seria “muita areia pra o seu caminhãozinho”. Xeque-mate, baby. Portanto, não julgue um livro pela capa. Pode ser você a dormir abraçada com ele depois. Literalmente.

4) Quando o término do relacionamento se oficializa é dada a largada para a maior e mais perigosa competição “Quem está melhor?”. O objetivo é sempre provar que você já se recuperou, não se lamentou nem por um dia e não poderia ter tomado uma decisão melhor ao terminar. Bônus: emagrecer, comprar novas roupas, mudar o corte de cabelo e se cobiçada em lugares públicos. O resultado disso todo mundo já sabe: não há verdadeiros ganhadores. Mas mesmo alertados sobre as consequências quem é que consegue se ver livre do desejo de ficar por cima? Provavelmente Buda. E ninguém mais. Mas, na verdade, a indiferença é a maior prova de ter seguido em frente, isso sim.

5) Se todo fim é inevitável, todo início é previsível. Que atire a primeira pedra quem desde o primeiro encontro é você mesmo. Nos camuflamos um pouquinho. Fato. Até porque nem tudo precisa ser dito logo de cara. Temos que saber preservar nossos mistérios, certo? Mas o que é mesmo decisivo é a forma de conta-los. Pode ser a porta de entrada para um universo sem mentiras, de mutua transparência ou uma passagem só de ida para a Terra do “eu vou morrer sozinha”. Logo, as pessoas tendem a ser um mais fingidas e aos poucos trazer a verdade à tona. Bom, o melhor que pode acontecer nesse contexto é ter alguém apaixonado pela imagem que tem de ti e, eventualmente, decepcionado pelas expectativas criadas também.

6) Seus amigos dizem muito sobre você, sim. Se você anda em um grupo em que acreditar se destacar por ser mais estudioso, mais interessado, mais maduro, mas isso se deve ao fato de que as pessoas desse grupo tem a capacidade argumentativa de uma criança no maternal, qual o mérito? Não, sério. É óbvio que estar entre pessoas que tem ambições tão grandes quanto as suas vai encorajá-lo a se superar. O mesmo vale para a forma como você se vê. Se acha que está abalando no melhor estilo propaganda de shampoo por onda passa porque desfila com sua bolsa cara e sua turma de amigas feias está muito enganada. O que te faz pensar que gente bonita e bem sucedida é concorrência se chama recalque, verdade seja dita. Ninguém se torna mais inteligente por chamar outro de burro. Prefira ser um agregador, alguém que faz a diferença estando por perto.

7) Decidir terminar é a parte mais fácil. Fato. Às vezes, a gente toma essa decisão várias vezes na mesma semana, e vai ganhando mais confiança à medida que desabafa com alguém sobre. Mas no fim das contas, engolimos em seco nossas verdades entaladas e seguimos em frente. Sozinhas. Ou seja, vencemos nossos monstros internos e mantemos um relacionamento, muitas vezes destrutivo, e nem sequer sabemos realmente por que. Isso é normal. O término é realmente um processo, leva dias, meses, quem sabe, até anos. Se fosse fácil como gostaríamos não hesitaríamos tanto em aceitar, certo? Ás vezes, nosso cérebro nos prega algumas peças e quanto mais decididos estamos sobre terminar, mais lembranças boas vem à tona. É um mecanismo de defesa natural do nosso coração (muito burro, diga-se de passagem). Seja firme! E use esses bons momentos para evitar falar mal do seu ex.

8) Acabar de conhecer alguém e planejar uma vida inteira ao seu lado. Quem nunca? Isso é mais comum ainda de acontecer se você é do tipo que já sabe (ou pensa saber) como será aquele que vai te livrar da vida solteira. Daí, quando você encontra alguém que se encaixa nesse checklist é o pote de ouro no final do arco-íris. Mas quem foi que lhe disse que o melhor pra você é o que você quer? Honestamente, se eu soubesse o que é bom pra mim não viveria em guerra com a balança pra cumprir alguns caprichos. Quanto mais planejado você tiver o relacionamento que ainda vai ter, menos chances ele terá de dar certo. Simplesmente porque toda “premonição” é uma forma de preconceito. Você deixa de viver, às vezes, por medo de sofrer, de errar, de se arrepender.

9) Seu melhor amigo talvez não seja seu melhor namorado, mas seu melhor namorado com certeza também é seu melhor amigo. Ou seja, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Quando nos apaixonamos por um amigo muito próximo, fantasiamos que nosso relacionamento vai ser a maravilha que é aquela amizade em que não há cobrança de nada e apenas nos divertimos. Mas eu vou te contar o final da história: a mãe de Bambi morre. (Ok, um pouco dramática demais). Acontece que a não ser que você tenha certeza da reciprocidade do sentimento - ou confiança o suficiente de que não vai perder uma amizade por causa dos SEUS sentimentos - nem sempre vale a pena arriscar. “Ah, vamos viver o que há pra viver! Ah, vamos nos permitir!” Calma. Não é bem assim quando se envolve carinho de verdade. Às vezes, até mesmo o que você sente com tanta convicção pode ser uma fase. Nada mais que uma fase.

10) Ninguém é tão feliz quanto demonstra nas redes sociais ou tão amado, tão rico, tão bonito. Quando você olha alguém através da internet é como se pudesse ver somente aquilo que ela quer mostrar. Nunca confie em quem exibe demais sua felicidade (ou só fica bonito em foto de óculos escuro). Quem perde muito tempo preocupado em formar uma imagem perfeita para que os outros o elogiem, acha que isso seja o suficiente para representa-lo. Se torna vazio. Ser feliz consome tempo demais, não sobra quase nada para se expor.

Escrito por Samantha Silvany

Autora do site Bendita Cuca!, e Youtuber nas horas vagas. Não contém um sorriso ou detém um devaneio. Criou o BC! para conseguir suportar a convivência consigo mesma. Ou para um tratamento psicológico gratuito. Ou os dois. Acredita que todo mundo precisa de um grande amor para chamar de próprio.

7 sinais que você não está pronta para um relacionamento.

Ouvir sinos tocando, sentir as mãos suando de nervosismo, gargalhar sozinha com comédias românticas e fazer planos para uma vida a dois. Parece tudo lindo, não é? Qual seria a parte ruim de estar com alguém que te ama e ser reciproco? Exceto quando, às vezes, você preferiria ir a uma balada em vez de um cineminha e quando ainda se sente apaixonada por seu ex-namorado (e fantasia que ele vai vir atrás de ti, pedir uma nova chance e você vai aceitar. Inclusive, já pensou até no que vai dizer para o atual e já se sentiu mal pelo o sofrimento que causaria a ele.) Ou quando você conclui, de uma vez por todas, que não consegue se envolver com ninguém – por mais que finja.

large-444

1) Você sabe que não tem futuro e mesmo assim insiste.
Mesmo com sua lista de prós e contras no bloco de notas do celular ou com a eminência de qualquer briga ser “a tal do fim”, você continua insistindo. Honestamente, admiro sua bizarra persistência. O MELHOR que pode acontecer em estar com alguém que você SABE que cedo ou tarde irão terminar é se ver completamente apaixonada. E quem, em sã consciência, quer se apaixonar por um estrupício travestido de príncipe? Chuta esse sapo enquanto há tempo! O que você sente é em grande parte carência, e não amor. E, mesmo que seja esse amor cego e avassalador, tem valia deixar de se querer bem por querer alguém? Eu, hein.

2) Você não consegue ficar sozinha.
Até quando está ficando/namorando com alguém às mil maravilhas se vê em busca de outros pretendentes, caso esse não dê certo. Ou pior, não corta relações (do tipo “me beija”) com ex para sempre ter uma porta aberta. Vai que... né? Quem sabe? Todo lugar é uma arena de caça, todo conhecido é uma ponte até um alvo, suas anteninhas estão sempre atentas aos recém-solteiros da temporada. (Aliás, a coisa não anda fácil, se você tem o seu, faça o favor de não boicotar o relacionamento alheio. Obrigada.) Sabe, você sequer deve se conhecer. Quando a gente sempre teve alguém do lado pra nos dizer “eu te conheço”, nutrimos um medo de nós mesmas. Às vezes, é preciso se perder pra se encontrar.

3) Você acha que só um relacionamento te completa.
Deixa o diploma na gaveta, o salto alto no armário, a maquiagem intacta. Ó, céus, de que tudo isso lhe serve se não tem um namorado? Precisa que alguém lhe diga que é bonita porque não acredita em seu próprio reflexo. Que vergonha! Pense pelo outro lado: por que alguém gostaria de estar ao lado de quem não suporta sua própria companhia? O problema das mulheres fortes é quando buscam apoio em homens fracos. Uma pessoa por inteiro vale mais do que milhares pela metade.

4) Tudo em sua vida se baseia em ter alguém.
Você vive se comparado ao seus amigos que estão juntos desde o colégio e até se martiriza por não ter segurado seu primeiro namorado até hoje – independente dos métodos. Mas, como já diz o ditado “há dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que se levantam antes do avião pousar e aquelas que esperam todo mundo sair”. Senta esta tua bunda nos teus planos! Não literalmente, claro. Para de ser tão ansiosa! Se você está fazendo tudo que deseja pra ser bem sucedida, magra, poliglota ou sei lá quais forem seus objetivos, toma Maracujina e espera. Não adianta se desesperar pra viver esse amor de cinema do porteiro ao príncipe Harry. Quem garante que você conseguiria reconhecer “o tal” já que está sempre se contentando com qualquer um?

5) Seu passado te prende.
Às vezes, eu sinto tanta vergonha do meu passado que se eu tivesse três desejos, eu gastaria um pra pedir que todas as pessoas que me conheceram naquela época dark esqueçam-se de mim. Além de mim mesma, óbvio. Acontece que não tem mandinga, não tem terapia, não tem astrologia que dê jeito. Ele existiu. Mas veja como a vida é maravilhosa: não importa o quanto você insista em trazê-lo à tona, você jamais conseguirá torna-lo presente. Já era. Acabou. Fim. Então, como algo que só existe dentro de você pode te impedir de ser feliz hoje?

6) Você não é a mesma para ficar com alguém.
Ele gosta de reggae e da noite pro dia você recita Bob Marley como Shakespeare. Ele não gosta de mulheres que usam tênis para sair e você vai até para a academia de salto alto. Vamos analisar o melhor contexto dessa situação: você consegue driblar a diferença de gostos, ele surpreendentemente acredita em ti, vocês namoram. E agora? Cadê a bola de cristal? 1) Você não vai ter como adivinhar na convivência o que ser e não ser para agradá-lo, ele vai descobrir a farsa. 2) Depois que ele já estiver apaixonado (lê-se fisgado a isca), você vai agir naturalmente, e ele vai te jogar na cara que você mudou muito, que não é mais a mesma, blá-blá-blá. Resumindo: não tem lado bom em se estar com alguém quando sequer pode ser você mesma. Inclusive, tem prazo de validade.

7) Você tem pressa.
Todo mundo recebe buquês surpresas. Todo mundo tem lindas declarações no instagram. Todo mundo está casando. Todo mundo está comprando apartamentos. Todo mundo está engravidando. A má notícia é que “todo mundo” vai te acompanhar para o resto da vida. Se você ficar se comparando aos outros (principalmente ao que vê em redes sociais) sempre vai perceber que tem uma porção de “todo mundo” se dando bem. Menos você. Daí você pensa: tenho que casar antes dos 30, mas também tenho que ser bem sucedida, e tenho que engravidar. Ou seja, 1 ano de repouso. Mas também quero fazer um intercâmbio, mais 1 ano de repouso. Oh, oh! NÃO VAI DAR TEMPO! Cadê o meu maldito marido?!
Primeiro, tenha nervos. Quem você achou que seria aos 20 sequer chegue a ser aos 30. Relaxa! Isso é normal. A única coisa que nos pertence é o tempo que temos AGORA. Amanhã pode ser tarde demais e o ontem, como eu disse, é passado.

Acontece que nada disso realmente quer dizer que você não está em uma “fase para namoro”. São só consequências e, não, sintomas. E ainda digo mais: mesmo que você emende um relacionamento no outro, mesmo que se apaixone novamente, quando estiver sozinha por um mês ou um segundo vai continuar se sentindo vazia. E se tem uma coisa que ninguém pode fazer por você é a sua parte. A superação vem quando a gente merece, e não quando acha que precisa.

Para de se auto boicotar, de procurar por salvação em um título de namoro e, principalmente, de achar que precisa disso. Sabe, cada um tem quem acha merecer, mas se você insistir em se relacionar com quem não tem os mesmos planos que você, não te desperta nada melhor, como isso pode ser o ideal pra ti? Enquanto você procurar por um amor, só vai encontrar carência. Procure por paz que o amor te encontra. Um beijo :)

Escrito por Samantha Silvany

Autora do site Bendita Cuca!, e Youtuber nas horas vagas. Não contém um sorriso ou detém um devaneio. Criou o BC! para conseguir suportar a convivência consigo mesma. Ou para um tratamento psicológico gratuito. Ou os dois. Acredita que todo mundo precisa de um grande amor para chamar de próprio.