CATEGORIA: Contos e Crônicas

De um jeito meio meu

large-60

Gosto de você de um jeito meio torto, de um jeito meio meu. Gosto de você em silêncio. Quieta. Gosto de você só pra mim. Não sou o tipo de garota que diz que gosta de alguém. Não sou o tipo de garota que não gosta de ninguém. Se faz de durona. Finge que não sente, finge que não se importa. Tem medo de sentir, tem medo de viver, tem medo de amar. Medo de um dia ter que admitir que tem sentimentos. Por você.

Gosto de você de um jeito meio louco, de um jeito meio meu. Fico aqui pensando em todas loucuras que fizemos juntos e quero mais. Sempre mais. Sair correndo por aí sem destino. Tomar banho de chuva até não aguentar mais. Brigar até sentir vontade de te beijar. Ficar longe até a saudade não deixar.

Gosto de você de um jeito meio indiferente, de um jeito meio meu. Diz pra todos que não sente. Sempre fui assim, você sabe. Mas quem vai negar.. Meu olhar é todo seu. Meus melhores beijos são seus. Meus mais quentes abraços serão pra sempre seus. Minha despedida com você.. Que nunca deixei acontecer.

Gosto de você de um jeito meio distante, de um jeito meio meu. Fico aqui te observando, tão lindo, tão feliz, tão meu. Fico aqui torcendo por você, tão de longe, tão eu. Fico aqui imaginando o que você sente, o que você pensa, o que você está fazendo. Fico aqui de longe porque não quero te atrapalhar com minhas loucuras, com meu jeito, só meu. Fico só olhando. Admirando. Te amando. De um jeito só meu.

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

Vem comigo acreditar nas nossas loucuras!

wh3

Vem comigo?

Vem cá não levar nada a sério, somente o nosso amor e nossas loucuras. Loucura essa que pros outros é só uma aventura, e pra nós as mais sensatas ideias. Vem cá idealizar nossa (in)sensatez. Quanto mais contestada ela é, mais dá força e vontade de ser realizada, de provar pra todos que no nosso jeito sem noção, tudo tem verdade, tudo é sincero e sério. Vem cá fazer da minha vida a mesma que a tua, a nossa vida. A nossa vida, do nosso jeito insanamente sincero. Vem cá ser romântico e ao mesmo tempo irônico.Vem cá comigo, vem pro melhor meio de comunicação, o que é real. Vem cá e deixa eu bagunçar teu cabelo, ser tua motorista, e esquentar teus pés no frio. Vem cá me pegar no colo, me chamar de vida e atrapalhar meus estudos. Vem comigo pra eu rir da tua cara quando tu falar que tá bravo e falar que tu é lindo. Vem cá e se atira de cabeça, alma e coração nessa relação que tem tudo pra dar certo, e vai dar certo, que já deu certo, vem cá vem. Vem comigo mostrar pra todo mundo o quanto somos perfeitos um para o outro, falar com orgulho que nós somos o casal perfeito. Vem me carregar no colo quando estivermos bêbados, vem chorar comigo vendo "P.S: Eu te amo". Vem cá, eu deixo tu rir do meu ciúmes bobo, e vou rir sempre quando tu me contar as tuas nóias. Vem cá comigo, me dar bom dia e um beijo na testa todos os dias. Vem cá ser meu príncipe e me deixa ser tua princesa, tua linda, tua namorada, tua vida. Vem cá e me faz acreditar que tu é meu sonho real. Vem cá cantar no meu ouvido a minha música, e me fazer cafuné. Vem comigo, vem me fazer bem, vem me dar paz, vem me dar a tua vida. Vem comigo? Eu te amo.

By @kikiCarboni

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

Te espero...

Te espero assim como alguém que espera o impossível. Te espero sem esperança, sem expectativas, só espero. Te espero como quem sabe que não vem. Te espero porque não posso fazer nada além. Só esperar. E torcer para que você sinta o mesmo que eu estou sentindo. Torcer para que você se lembre o quanto é bom quando estamos juntos. Sorrisos, beijos, abraços, recordações. Tão doces, tão distantes. Olha essa saudade, como dói! Correr atrás é cansativo, o orgulho não gosta e o amor próprio não deixa. O jeito é esperar fingindo que não me importo. Mas a cada telefonema o coração pula, a cada SMS um sorriso aparece, a cada olhar espero o seu.. Mas nunca é você. Tudo bem, eu te espero. Eu sei que um dia você vem. Porque tudo que é verdadeiro volta correndo.

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

Goste do que quiser gostar!

si11

É engraçado esse lance de ''modinha'' né? Às vezes eu paro pra pensar, estamos constantemente sendo influenciados a gostar ou não gostar de algo por pura pressão da sociedade.

Por exemplo, um artista novo surge.. E com ele surgem os "modinhas" que são influenciados pelo que toca na rádio, e os ''contra-modinhas'' que sempre criticam aqueles que tendem a acompanhar o que é sucesso no momento.

Mas convenhamos, não é tudo a mesma coisa? Tem gente que tem vergonha de admitir que gosta de certos cantores, bandas, só porque está na moda criticar tal artista. A pessoa não tem coragem de bater no peito e falar "eu gosto sim e foda-se quem me critica por isso.''

Gente, não existe um gosto uniforme, uma lei sobre o que devemos ou não gostar! Nós devemos ter mais personalidade e não ter medo de admitir que cantarolamos Justin Bieber no chuveiro. Ou que balançamos o pé com algumas músicas bregas. Não tem problema. Ninguém pode te julgar pelos seus gostos. É a sua vida.

O bonito das pessoas é que cada uma é diferente ao seu jeito. Cada uma é de um jeito. Gostamos de coisas diferentes. Somos diferentes! Então antes de criticar uma pessoa só pelo que ela escuta, ou pela que ela gosta, pare e pense: você tem o direito disso? QUEM É VOCÊ PRA JULGAR ALGUÉM? Você não é melhor que ninguém. Acredite.

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

Se joga!

Sexta feira SUA LINDA! Não entendo como que um dia tão lindo como esse não é feriado, fala sério. A semana demora 5 anos pra passar e quando chega a sexta feira passa voando, ops, já é domingo?

Por isso vocês lindonas tem que usar e abusar desse dia! É dia de balada, bebê! Pegue seu melhor vestido no guarda roupa, aquele salto pra pisar nos homens, e se joga! Mas não se esqueçam: abusar só dos homens, e nunca da bebida. Afinal, mulher que se preze tem que manter a classe em todos os momentos, não é mesmo?! Quem vai querer uma mulher bêbada caindo pelos cantos abraçada a uma garrafa de vodka?!

E aqui vai uma dica pros homens que acham que mulher vai pra balada procurando por alguém: nós só queremos nos divertir. É essa a nossa intenção em todas ocasiões. Saímos pra rir, beber, dançar, se jogar! Desculpa, mas vocês são segundo plano. Ou como diria uma amiga, vocês são a consequência de uma noite muito louca.

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.