CATEGORIA: Contos e Crônicas

Não espere ela ir embora

Você a perdeu e provavelmente vai perceber a falta que ela é capaz de te fazer. Com tantas chances que te deu e você não soube aproveitar, ela finalmente escolheu deixar de ser a menina da sua vida pra ser a mulher da vida dela. Saiba que ela lutou contra os seus próprios sentimentos, pensou em te dar mais uma nova chance, em te ligar. Ela pensou em esquecer tudo que você fez, tentou te entender. Mas você já não fazia bem, você já não era o mesmo que ela conheceu. Quando você encontrá-la por aí, provavelmente vai se perguntar por que as coisas pra ela deram certo. Você vai se questionar o que a vida fez pra ela sorrir assim e vai doer em você, saber que poderia ser o motivo do sorriso dela, mas escolheu não ser. Vai doer em você saber que ela anda mais decidida, madura e livre de quando você a conheceu. Você vai começar a perceber tudo o que não percebeu enquanto ela estava ao teu lado, e isso vai te consumir. O sorriso largo dela te fará falta e o jeito como ela tirava o excesso de batom vai te confundir.

Provavelmente você vai encontrar ela em um desses bares e lugares que vocês costumavam frequentar, e ela já não sentirá mais arrepios ao te ver. Você vai perceber - enquanto conversa com amigos - que ela sorri espaçosamente e isso não é mais pra te provocar. Você vai notar que ela nem te olha mais e muito menos vai cochichar sobre você com alguma amiga na mesa. Se alguém disser que você está na outra mesa, ela dirá com toda certeza de que você já passou: deixa estar. Você vai beber mais do que costuma pra que ela te perceba, você vai paquerar outras garotas pra tentar tirar a atenção dela. Será inútil. Você vai querer ligar pra ela e pedir desculpas por tudo, vai tentar implorar pra que ela volte pros seus braços, vai tentar se explicar. Você vai admitir que foi babaca, que errou feio como das outras vezes, mas ela já não vai ter mais paciência pra te ouvir porque tanto tempo que ela te deu pra você acertar, e você simplesmente brincou.

Você vai sentir uma vontade incontrolável de ter noticias dela, vai perder tempo abrindo o Facebook só pra ver alguma publicação que fale sobre você, e não vai ter. Você vai se dar conta que ela parou de escrever indiretas, que não te envia mais mensagem nem pra te chamar de idiota. Você vai se incomodar com a ausência dela e vai tentar puxar assunto, não vai adiantar. Ela não estará mais ali nem pra te chamar de babaca, pra dizer que você a machucou, nem estará mais ali pra tentar te alertar das dores que você causou. Ela não estará mais disponível pra te fazer perguntas e esperar que você respondesse dias depois. Ela não estará mais ali, perdendo tempo, tentando te entender, buscando respostas e explicações pras suas mentiras.

E você vai enlouquecer, vai pensar em mil e uma coisas pra surpreender, vai dizer que precisa vê-la, que sente saudades, que não vai conseguir seguir sem ela. E ela vai te dizer que sim, você vai seguir sem ela, porque na verdade, sempre seguiu. Você nunca valorizou enquanto ela estava ao teu lado, você não percebia o quanto ela se esforçava pra te tirar um sorriso, no tanto que ela tentava ser pra você o amor da tua vida e você não notava. Ela vai torcer por você, vai torcer pra que você mude, que a vida te ensine a não mais ser o babaca que sempre foi. Ela vai pedir pra que tua vida aconteça e que você, de uma vez por todas, amadureça. Ela vai te desejar sorte, e vai ser sincero, acredite. Ela vai bater em teu ombro e te dizer: segue em frente, teu caminho é longo, espero que você seja breve em ser alguém melhor, que compreenda que o amor não precisa de ninguém que se limita, que mente, que finge, que machuca ou decepciona o outro. E você vai entender (precisará entender) um dia, que amor precisa de alguém que transborde, que some, que seja um dos motivos pra tirar o riso do outro e não a lágrima. Você vai lamentar e reconhecer que não foi o suficiente pra ela. Ela não vai mais aparecer pra te culpar, fique tranquilo, porque ela estará ocupada com as decisões, sonhos, viagens e vontades que ela pretende realizar. Quando você ver ela sorrindo pra outro, vai entender o quanto podia ter feito ela sorrir pra você e não fez.

E vai chegar o dia em que você vai encontrar ela com outra pessoa, ou alguém vai te contar que ela assumiu um relacionamento sério. Você vai ver a felicidade estampada nas fotos dela, vai parar e encarar o brilho dos olhos dela só pela tela do teu celular e vai se questionar por que diabos você deixou a partir. E vai doer. Vai doer saber que o amor da tua vida se tornou o amor da vida de outra pessoa. E você vai aprender. Vai aprender todos aqueles ditados clichês que ela te dizia e você debochava. Vai aprender que quem muito se ausenta, realmente, uma hora deixa de fazer falta. Vai aprender também que quem não valoriza, perde. Você vai se sentir sozinho, vai rezar pra que ela estivesse do teu lado agora, porque quando você estava mal, ela era uma das poucas pessoas que se preocupava contigo, que ficava mal se você estivesse mal, que te compreendia quando ninguém parecia te compreender. Você vai notar que errou feio, que no momento em que pensou que estaria ganhando alguma coisa, tratando o amor como um jogo, você na verdade estava perdendo tudo, perdendo ela. E por fim, você vai ter que se decidir, se vai se repetir ou ser melhor a partir daqui.

*Gostou do texto? Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra mim.

Escrito por Iandê Albuquerque

Tenho 24 anos, apaixonado por cafés, seriados e filmes de romance, mas amo cervejas e novelas se houver um bom motivo pra isso. Dramático, intenso e extremamente intuitivo. Leio horóscopo, sorrisos e corações partidos. Escrevo sobre casos, por acasos e acasos do amor, sobre boas lembranças e péssimas escolhas.

O Diagnóstico do amor

- Não sei não doutor! Não me lembro bem como isso começou, mas desde então tem sido difícil demais de se dormir. Já são dezenas de noites em claro, estou ficando preocupado! Você precisa me ajudar doutor! A cada dia essa sensação aumenta, não sei se vou ser capaz de aguentar todos esses sintomas ao mesmo tempo! Começou com um pequeno incômodo no estômago, sabe? Como se fossem borboletas batendo asas. Não sei se nessa fase os delírios já haviam começado, mas era engraçado, pois eu conseguia sentir exatamente quantas borboletas havia dentro de mim, sabe? Eu conseguia enxergar a cor de cada uma delas! As mais bonitas eram as vermelhas, Doutor. Eram as mais inquietas! De repente essa falta de ar começou também! Suspiros incontroláveis! Parece que eu desaprendi a respirar, meu sistema fica todo maluco, defasado e parece que eu vou me afogar no próprio ar. Não entendo bem qual a relação Doutor, não sou perito no assunto, mas o coração costuma acelerar muito nessas horas! Tenho visto fantasmas, Doutor. Não sou uma pessoa supersticiosa, mas ando vendo a mesma pessoa em todos os lugares! Na minha casa, no trabalho e até mesmo nos meus sonhos. Talvez seja algum tipo de sinal, você saberia me dizer? Às vezes eu fico com muita raiva, sabe? Querendo que ninguém fique próximo a mim! Quero apenas uma garrafa de Whisky e que o restante do mundo inteiro se foda! Me desculpe pelas palavras Doutor, mas é que às vezes eu realmente acho que não sou capaz de suportar. É uma angustia sem fim! A cada dia aumenta essa frustração dentro do meu peito, e ela parece me tomar por inteiro, eu perco todos os meus filtros sociais, eu viro um ser primitivo, prepotente e até mesmo infantil! Tenho medo de machucar alguém, tenho medo de que alguém não me reconheça mais. Ou pior! Que eu mesmo não reconheça mais quem sou! Mas o pior de tudo é o coração mesmo doutor. Acho que é o problema! Parece que todos os sintomas são exclusivamente originados nele. Será que dá pra trocar por outro? É muito difícil você acha? Por que eu sinto que ele não vai aguentar, sabe? Tenho vivido dias malucos, to precisando dormir e acho que meus amigos não aguentam mais me ouvir falando sobre o assunto. Têm remédio pra isso, doutor? Tem tratamento? Uma dieta balanceada talvez? Devo procurar ajuda de outro profissional?

- Calma meu jovem! Essa doença é extremamente comum. O que você está passando milhares de outras pessoas também passam. É uma enfermidade muito estudada desde a antiguidade. Há centenas de milhares de livros sobre o assunto. Mas logo já te adianto, não há cura! Nossa medicina evoluiu muito sim, os cientistas atingiram tecnologias inimagináveis a décadas passadas, mas para essa infelizmente ainda não há vacina. Vou te passar algumas recomendações que costumam ajudar, ok? Comece a se alimentar melhor. Os alimentos com maiores doses de amor próprio na sua composição costumam ajudar. Evite comer qualquer coisa que contenha doses exageradas de ilusão e auto piedade. Em seguida, comece a praticar esportes. Exercite sua autoconfiança e os músculos do carisma, tente deixar o sedentarismo e autoflagelação em casa, ok? Existem alguns estudos bons sobre o assunto, uma boa leitura vai te ajudar a entender melhor o seu problema e manter a calma! Recomendo dos melhores peritos na causa, anota ai: Drummond, Vinícius e Machado. E por último leve esses analgésicos que vão aliviar os momentos de ansiedade. São cápsulas de razão e inibidores de sentimentos. Vão te ajudar a ter a coragem que você precisa para conseguir o que deseja e/ou conseguir se desvincular do que não é merecedor da sua atenção. Geralmente a gente valoriza muito o que não tem valor nenhum para nós, tente dormir melhor! Ah e quase ia me esquecendo, tem um remédio difícil de se achar por ai, quase ninguém acha para vender, mas caso encontre o tal do juízo, compre viu? Tome em doses homeopáticas que ajudarão muito nas dores de cabeça.

- Nossa doutor, muito obrigado! Mas será que corro risco de vida?

-Fique tranquilo! Na maioria dos casos as pessoas acabam se curando com o passar do tempo, corações muito jovens são muito suscetíveis, mas garanto que você ficará bem! O único risco potencial que você corre é esquecer totalmente como amar. É muito perigosa essa sequela, viu? Não se esqueça de que amar é na verdade uma dádiva, mas só quando amamos a nós em primeiro lugar.

*Gostou do texto? Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra mim.

Escrito por Kauê de Paula

24 anos, engenheiro civil por formação e escritor por paixão. Adora uma boa leitura, séries e filmes. Exagerado, admirador do cotidiano e péssimo escritor de perfis.

Talvez um dia, alguém fique

Não sei ao certo o que é que impede as pessoas de ficarem por aqui. Não sei se não consigo ser o bastante ou se sou suficiente demais. Então vejo rostos alheios indo e vindo a todo instante e começo a me questionar se as pessoas tem dificuldade para enxergar o que há de melhor em mim. Será que não está nítido no meu olhar? Ou será que ninguém nunca se interessou em olha-los a fundo? É que eu não sou uma pessoa ruim. Não gosto de mentiras. Não compartilho sentimentos amargos. Não alimento rancor e até evito assistir jornais para não ter que me deparar com uma coleção diária de tragédias.

Na verdade, eu gosto é da pureza que mora na sinceridade de fazer o bem e ser agradável para o mundo. Gosto quando os olhos falam na língua da solidariedade. Gosto de ver um sorriso se abrindo. Gosto de conhecer sonhos. E me apaixono instantaneamente por quem rasga a minha timidez na primeira conversa e abre espaço para que eu seja apenas eu pelo resto do tempo. E isso é raro, mas quando acontece, é lindo.

Porque no porto do meu coração tem um cais que recebe muita gente. E sempre que alguma embarcação nova chega, faço de mim o melhor anfitrião. Só é uma pena que elas nunca demoram. E isso me entristece um pouco. Porque tem gente que, em pouco tempo, se torna tão especial que nem conseguimos compreender, quem dirá explicar. E dói quando elas vão embora cedo; porque percebemos então, que esse pouco tempo foi tudo o que pudemos ter tido. E quando elas se vão, só o que resta sou eu. Sozinho. Outra vez. Por isso não sou fã de coisas efêmeras, principalmente quando se trata de pessoas que fazem bem para o meu coração.

Mas eu resisto, sabe? Porque todos que já amarram o seu barquinho ou sua canoa por aqui, acabaram deixando muito de si. E durante toda essa minha vida colecionando pessoas instáveis, aprendi a extrair o máximo do mínimo que me doam. E eu valorizo muito cada meio sorriso que consigo tirar de quem me faz bem só em estar presente.

E assim eu vou seguindo. Apesar de tudo, sempre rindo. Porque talvez, algum dia, alguém resolva ficar um pouco mais e quem sabe, acabe ficando para sempre. E nossa, eu vou gostar tanto...

*Gostou do texto? Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra mim.

Escrito por Wesley Néry

Vivo escrevendo e sonhando adoidado. Escrevo porque adoro o prazer do cafuné que encontro nos vincos de cada palavra minha. E sonho porque é de graça.

Quase amores de metrô

Quem nunca teve um quase amor? De dez minutos, de olhares que se beijam? De linhas se cruzando e vidas se perdendo? Sem o toque, sem o timbre da voz. Quase amores de um dia ou às 5:30 da manhã no caminho pra faculdade. Todo dia a ansiedade e os olhos querendo dançar em olhadinhas discretas e desvios envergonhados.

Eu já tive de todos. Uns geram uma deliciosa conversa, outros não passam do sorriso simpático e tem os que nunca mais vi.

Teve o Cássio, o moreno, o barbudo, o amante de livros clássicos e o que sempre sentava no mesmo banco com um sorriso no rosto.

Ah, e que sorriso hein. Já cheguei a perder a estação e perder a primeira aula por causa do moço bonito de fones verdes vibrantes e de dentes tortinhos e charmosos. Perdia a vontade de descer. Dava até alegria entrar naquele mar de gente suada e cansada.

Eu morria de curiosidade pra saber quais músicas ele tanto ouvia espalhando aquele bom humor pelos seus lábios e por todo o meu corpo. Mas nunca soube. Não soube também o seu nome e por qual motivo seu trajeto mudou, acabando também com os meus sorrisos fáceis.

Nunca mais vi seus chamativos fones verdes. Nos esquecemos sem nem nos amarmos. Era quase amor e quase toque. E eu ainda espero, menino, um dia descobrir as músicas que você ouvia e o seu sabor, o seu calor. Um dia saberei seu sobrenome e se esses seus olhos pequenos são sempre mesmo tão felizes.

Deixe seu comentário. Nós gostamos de saber sobre o que você tem a dizer :)

Escrito por Tatiane Argenta

19 anos, preguiçosa em tempo integral e escritora nas horas vagas. Apaixonada por café, filmes, fotografia, livros, música e super-heróis. Dramática e intensa sempre.

Quem quer, arruma um jeito. Quem não quer, arruma uma desculpa.

Quem quer não adia, aparece. Quem quer te ver agora, não vai deixar pra amanhã, mesmo que a distância seja incalculável ou já seja tarde pra isso. Quem quer, não deixa pra depois o que pode ser feito agora. Quem quer ficar, fica sem que a gente precise implorar. Quem quer cuidar, simplesmente cuida. Quem quer, provavelmente não vai suportar a saudade, não vai poupar sentimento e entrega pra te ter.

Quem quer, arruma um jeito. Quem sente vontade, faz saudade virar encontro, faz cinema virar motel, faz o cansaço virar amasso, faz dias frios mais quentes. Quem quer é capaz de viajar 100 quilômetros só pra te ver, e não interessa se o tempo fechou tão rápido, quem quer não vai pensar duas vezes em te ver hoje ou deixar pra próxima semana. Quem quer, não vive de conversas, não perde tempo, não arruma mil e uma desculpas pra justificar que não vai dar pra te ver hoje porque o dia foi cansativo demais.

Quem tem saudade do teu sorriso não se contenta só em ouvir a tua voz pelo celular, quem quer estar com você sentirá necessidade de te ver pra conversar sobre como foi o seu dia, sobre todas as coisas que te fez perder a cabeça e vai entender que é melhor te abraçar nos momentos mais difíceis do que te mandar um ''fica bem'' por mensagem. Quem quer te fazer bem, vai bater na tua porta com chocolates que comprou no meio do caminho pra tua casa e cervejas - é que o dinheiro era pouco e o vinho era caro. Quem quer realmente te ver, não esperará por um feriado ou por dias melhores que não tenham provas, nem muito trabalho pra fazer.

Quem quer te ver, não vai se lamentar, vai vestir a roupa mais próxima e sair com sorriso mais sincero ao teu encontro. Quem quer, não vai reservar um tempinho pra você ou um horário fixo pra te ver, vai te reservar a vida e vai te ensinar que quando a gente ama, a gente não mede esforços, a gente não quer o outro pra preencher aquele espaço que sobra na cama ou aquele tempo vago nos finais de semana. Quando a gente quer, a gente aceita o outro pra somar na vida, pra abrigar e torna-se abrigo, pra unir dois mundos.

Quem quer ficar, vai fechar os olhos em teu peito e permitir, sem medo, acordar só noutro dia. Quem quer, vai fazer corpo mole pra não levantar da cama e não sair da tua vida, vai roubar tuas manhãs, vai jogar os braços por cima de você e quando você perguntar se a posição da tua cabeça tá doendo nele, ele vai te responder que não. Quem quer ficar na tua vida, não pensará duas vezes antes de entrar. Ficará pro café da manhã e se possível pro jantar, é que o gosto do teu beijo vicia e ele seria burro em não prová-los ao máximo.

Quem quer ficar, vai encostar a cabeça em teu ombro e vai te deixar descobrir todos os medos e segredos, erros e defeitos, vai apertar a tua mão pra tentar te dizer algo em silêncio, e vai se despedir de você sem te tirar nada, te permitindo a liberdade e te deixando com aquela sensação de querer viver tudo e mais um pouco ao lado dela. Quem quer você, tem vontade de te repetir, de tomar todos os gostos com teu sabor, de provar todas as aventuras com você sem te dizer que precisa pensar, sem te dizer: ''hoje não dá'', ''deixa pra amanhã'', ''não tô a fim''. Porque quem quer, arruma um jeito. Quem não quer, arruma uma desculpa.

Escrito por Iandê Albuquerque

Tenho 24 anos, apaixonado por cafés, seriados e filmes de romance, mas amo cervejas e novelas se houver um bom motivo pra isso. Dramático, intenso e extremamente intuitivo. Leio horóscopo, sorrisos e corações partidos. Escrevo sobre casos, por acasos e acasos do amor, sobre boas lembranças e péssimas escolhas.