AUTOR: Deborah Sequeira

VOCÊ NUNCA ESTARÁ SOZINHA

Ei, você. Sim, você mesmo. Olhe no fundo dos meus olhos e me diga, qual o motivo de todas essas lágrimas? Não abaixe o rosto, não vim te acusar. Na verdade, não cruzei meu caminho com o seu apenas por cruzar.

O que? Você tropeçou outra vez? Imaginei. Já ouvi dizer que você tem mesmo essa mania de não olhar por onde anda. Deu um passo maior que aperna e acabou pondo tudo a perder, não foi não? Parece que você não escuta mesmo. Mas não venho brigar, então não se acanhe. Se acalme. Não te ensinaram a dar um passo de cada vez com muitíssima atenção? Não corra se não sabes andar direito. Não tente pular os momentos ruins, porque mesmo que você não acredite e não enfie isso na sua cabeça dura, eles são importantes na sua vida.


O que que foi? Eles doem? Eu sei! Doem muito, por sinal. Mas sempre passam e nos deixam com a incrível capacidade de valorizar os momentos bons, tornando-os bons para caramba. É, com muita intensidade mesmo.


Isso foi um esboço de um sorriso? Eu acho que foi, hein. Não, não esconda. Não é porque algo infeliz aconteceu que você deva permanecer infeliz também. Pelo contrário, há tantas outras razões pelas quais você pode dar uma boa gargalhada.


Eu sei que a vida não parece muito justa agora e você não entende o motivo, mas espera um pouquinho só, vai. Eu não sou louca, nem otimista demais, apenas te digo a verdade. Uma pessoa se vai hoje, outra chega amanhã. E se você errou hoje, talvez acerte amanhã.

Não, não é ruim. É ótimo. No dia em que você parar de errar, você nada aprenderá. Será mesmo que nunca te falaram que viver é aprender? É aprendendo que você coleciona histórias, experiências, vive muitas vidas em uma só. Não parece perfeito e não é para parecer e muito menos ser. Nós mesmos não somos perfeitos. Todo mundo sofre e faz alguém sofrer, é natural. Nem sempre acontece do jeito que você deseja, mas acontece mesmo assim e é seu dever entender e mudar algo sobre isso.

Eu sei que as costelas doem, mas você vai conseguir se levantar. Se a vida te derrubou, foi porque sabia que você conseguia se reeguer sozinha. Se você tem problemas, vai saber resolvê-los. Você é forte e nem pense em me dizer que não, porque eu juro que dou meia volta agora mesmo e vou-me embora.


Você está sim machucada, ralada, sangrando. Eu sei que só quer um descanso. Mas a vida é curta, então mova-se. Levante-se devagarinho. Isso. Coloque-se de pé como uma guerreira. Deixe que seus olhos apreciem a vista. É o horizonte infinito de oportunidades que aguardam a sua chegada. Vá até lá, agarre-se aos seus objetivos. Confie em si mesma.

Olha só para você, dando alguns passos outra vez. Não, não precisa me acenar um "até logo" e muito menos me agradecer. Foi tudo você. Não precisa ter medo também. Agora você sabe, mesmo que tudo se pareça perdido, não está. Mesmo que se torne o fim do mundo, não é.

Mas e se você ficar sozinha? Ora, ora.. Que sozinha o que! Você nunca estará sozinha se estiver na companhia mais a importante de todas, a sua.

Escrito por Deborah Sequeira

19 anos de muita história para contar, autora do blog duzentaslinhas.com.br, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas - nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males.
Quer conversar comigo pelas redes sociais? Fácil, só me chamar em @duzentaslinhas 
Ou quer desabafar secretamente? Me chama no snap duzentaslinhas ou pode me mandar sua história pelo e-mail duzentaslinhas@gmail.com (juro que sou boa em conselhos)
 

VOLTO QUANDO ME ENCONTRAR

Me desculpa ir embora assim, sem nem ao menos avisar para onde fui. Não queria partir e te deixar partido, mas não tinha jeito melhor de deixar uma marca na sua vida. Eu sou um furacão mesmo, chego levando tudo pelos ares e vou-me deixando todos os destroços espalhados pelo campo. Não queria que fosse assim, queria sim que fosse calmaria, rotina e segurança, só que as mudanças dentro de mim ocorrem rápidas demais para você suportar.


Eu sei que não deixei nenhum bilhete dizendo o quanto eu te amava, então aqui está: Eu te amava. Pode não parecer, já que eu sumi de mim e sumi de você como quem foge do fogo que se alastra. Mas não foi isso, você não me queimou, você só me aqueceu, eu é quem precisei de um tempo no frio para aprender a me esquentar sozinha.


Espero que você não tenha raiva de ter me conhecido e aprendido a me amar somente para ter que aprender a me esquecer. Aliás, não precisa aprender a me esquecer. Pode se lembrar de mim como a menina que era tudo e nada no mesmo corpo e continuar sorrindo com as lembranças boas que eu espero ter deixado no teu coração enorme.


Eu nunca pretendi que você me odiasse, então por favor, não odeie. Me entenda, e entenda que toda a minha confusão precisa de uma arrumação hora ou outra. Eu também não queria que fosse agora, já que seu abraço era o meu lugar preferido no mundo. Mas eu preciso me achar e logo, porque toda essa informação mexe demais com o meu organismo frágil e não dava para mexer com o seu também.


Claro que seria mais fácil deixar rolar e deixar você me segurar se eu precisasse cair, mas ir pelo caminho menos perigoso nunca foi comigo mesmo. Eu até tentei viver um dia de cada vez, mas você me conhece, sabe que eu não consigo. Eu quero conquistar o planeta inteiro em menos de vinte e quatro horas. Eu me perco no meio de tantos sonhos e de tantos medos. Seria mais fácil para mim deixar você me guiar, mas não seria eu.


E quem sou eu?


Eu juro que foi horrível desviar os olhos de você e colocar o pé na estrada que talvez me encaminhe para a minha própria vida. Foi muito complicado sentir que precisava me achar para poder achar o amor, porque até então, era você. Descobrir que eu preciso aprender a me conhecer e a me amar para deixar que você me ame foi foda, mas eu juro que foi necessário.


Portanto, me desculpa por ir embora sem te contar que o seu sorriso é mesmo o mais lindo que eu já vi e sem te explicar que eu sou louca por você, mas que preciso também ser louca por mim primeiro. Me desculpa por não ter te contado no primeiro beijo que eu vinha embalada em mistério e não ter permitido a você o direito de mudar de ideia. Me desculpa por ter vivido os melhores meses e ido sem prazo de volta. Mas eu juro, eu volto quando me encontrar.

Escrito por Deborah Sequeira

19 anos de muita história para contar, autora do blog duzentaslinhas.com.br, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas - nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males.
Quer conversar comigo pelas redes sociais? Fácil, só me chamar em @duzentaslinhas 
Ou quer desabafar secretamente? Me chama no snap duzentaslinhas ou pode me mandar sua história pelo e-mail duzentaslinhas@gmail.com (juro que sou boa em conselhos)