Banheiro Feminino: “Primeira vez”

Banheiro Feminino

E aí, como vocês exxxtão? Eu to bem. Muito bem. E hoje é dia deeeeee? Banheiro Feminino! o/ Dia de fofocar, colocar o papo em dia, abrir o coração… Vamos falar sobre primeira vez. Primeiro beijo, primeira vez no sexo, primeira vez que choramos por amor… Ai. São tantas emoções. Vamos ver?

banheiro-feminino

Conheça as participantes:

E2QU9jK-Isabela Freitas Se você tá aqui no meu blog e ainda não sabe que eu gosto do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas, tá no lugar errado. Ah, eu adoro signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. 24 anos, mora em Juiz de Fora, mas vive mesmo no mundo da Lua. Siga no twitter/Assine no Facebook/Siga no Instagram isabelaafreitas

 
 
 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte Podem me chamar de Carol, só pra eu me sentir mais em casa. 21 anos, virginiana, nada normal, com um coração enorme, pseudo-engenheira (que só é exata na parte da faculdade, porque na parte sentimental…), tentativa de blogueira, intensa demais, sincera demais, romântica demais, conselheira demais, individualista demais, amiga demais, sonhadora demais só que incrivelmente realista (por mais irônico que pareça), viciada em snaps, em fotos, em sorrisos, em flores, em pessoas, em palavras, mas principalmente em atitudes. Leia o blog/ Siga no twitter/Facebook/Snap: camonteforte/ Instagram: @camonteforte

 

image (1)Anna Schmidt tem 20 anos, é carioca, estudante de direito, metida a escritora (http://annaluizaschmidt.blogspot.com) nas horas vagas e Fluminense de carteirinha. Envolvida por 36 séries de TV, pelo twitter (http://twitter.com/annasschmidt_), por música de todos os tipos, livros em todas as suas formas, por filmes sci-fi e pelo Rio. Impulsiva, confusa, piadista em horas inapropriadas, frequentadora oficial da noite carioca, apaixonada por tudo e por nada e pra resumir: libriana na essência da palavra. Siga no instagram: annaluizaschmidt/ Snap: annasschmidt

 
 
 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich 25 anos. Gaúcha, contadora, pós graduanda e de quebra técnica em enfermagem com o jaleco já aposentado. Teimosa de doer e de personalidade forte, não é a toa que carrego o sangue alemão. Faço jus a ele. Amo demais o meu trabalho, livros, gatos, música rock e indie, viajar, whisky, vinho e churrasco do meu papis. Ah, e defendo o ideal da mulher independente e o completo poder de escolha sobre todos os aspectos da sua vida. Polêmica. Siga no instagram: cbredlich/ Twitter/ Leia o blogFacebook
 
 
 

julieJulie Cordeiro, odeio quando pronunciam meu nome errado. Tenho 19 anos, sou mineira, curso Administração  e quero passar a minha vida administrando minhas viagens pelo mundo. Sou apaixonada por livros, pessoas bem humoradas e dormir. Consigo me expressar melhor na escrita do que na fala. Mudo de opinião constantemente, mas não permito que isso me torne influenciável. Sou o que costumo chamar de pessoas "bagunças", ninguém me entende e muito menos eu. Siga no Twitter/ Leia o blog/ Instagram: julieecordeiro/ Facebook

 

 
125Nathália Caroline, 18 anos, carioca e amante de sorvete de pistache. Faladeira, baladeira, bagunceira e todas as "eiras" que vocês conhecerem. É super amiga da Beyonce, já foi à Lua, teve um caso com o Ryan Gosling e às vezes é um pouco sonhadora demais. É sagitariana com ascendente em áries com muito orgulho, com muito amor. Siga no snap: nathcarol/ Twitter/ Instagram: nathcaroles/ Facebook
 

 

 

large-415

1- Como foi seu primeiro beijo?

E2QU9jK-Isabela Freitas Eu contei em vídeo lá no meu canal do Youtube. Assista o vídeo e se inscreva no canal :D

 
 
 
 
 
 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte Geeeeente, meu primeiro beijo foi ridículo! Sem mais ! Eu separo em primeiro beijo com sentimento e sem sentimento: sem sentimento – eu estava na 6a série e na época era super normal brincar de verdade e desafio e sim, eu perdi o BV num jogo babaca HAHAHAHA com sentimento – eu tava no ensino médio e foi meio de repente, durante a troca de aula, uma troca de saliva e batida de dente que me fez ter trauma daquele tipo de beijo HAHAHAHA #primeirobeijodesentupidordepia quem nunca ?! Depois disso o beijo foi ficando fofo e eu fiquei xones #cagadajuvenil 

 

 

image (1)Anna Schmidt Super-ultra-mega-power esquisito. Tudo bem, eu era mega afim de um cara mais velho, mas ele era experiente, sabe? Pegador! O "Thiago" era o gatinho da escola! Tive a brilhante ideia de perder o BV com o meu melhor amigo (assim eu ia praticar e ficar ó, excelente pro Thiago). Péssima ideia. Fiquei com vergonha, mudei com o meu melhor amigo e me senti muito estranha. O clima não era muito de pegada, não rolava sentimento, muito menos aquela vontade gostosa. O beijo em si foi legal, peguei o esquema de primeira e quando decidi dar uns beijos no Thiago… Descobri que o meu melhor amigo, o bobo que tinha crescido comigo, mandava muito melhor. Não sei o que me deixou mais decepcionada, se foi o beijo do Thiago ou a falta de vontade de beijar o meu amigo de novo. Injusto demais.

 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich Eu era nova na cidade, cheguei brincando de barbie e em menos de seis meses só falava de meninos, beijos e quem estava pegando quem. O que uma cidade grande não faz com a cabeça de uma criança. O meu primeiro beijo em si foi uma bosta, desconexo, você não sabe se põe língua ou tira língua, hahahaha. Horrível! Tínhamos que nascer já sabendo beijar porque a experiência primeiro beijo é uma porcaria. Ressalva: ruim não por culpa do rapaz! Eu sou muito destrambelhada para a primeira vez em algo.
 
 
 

julieJulie Cordeiro, Foi um dos melhores beijos que eu já tive, mas na hora a única coisa que eu pensava era QUE-QUE-EU-TÔ-FAZENDO. Será que ta certo? É assim mesmo? O que ele está pensando? AI MEU DEUS!!Estou fazendo errado e ele vai saber que é o meu primeiro beijo. Foi uma mistura de não sei o que estou fazendo, porém vou continuar. Segue o fluxo.  Eu fui a última do meu grupinho a beijar então imaginem a pressão que não rolava, a frase que eu mais ouvia era "Ahhh, mas a Julie não beija". Sim, eu sempre sofri bullying. Fiquei muita nervosa, mas deu tudo certo porque o menino até me elogiou depois. 

 

125Nathália CarolineFoi um misto de tensão e aventura! O amigo de um amigo meu falou que queria ficar comigo e, apesar do "medo" de dar umas beijocas, eu aceitei. Depois de treinar o beijo com laranja, pesquisar tutorial no YouTube e beijar meu próprio pulso (SENTE A SEQUELA), ao contrário do que eu achava, meu medo foi só aumentando; na real, nem é medo, é só insegurança. Depois de alguns dias, nos encontramos na festa julhina da minha escola e ficamos. No mesmo dia, eu fiquei com um outro garoto que era amigo de uma amiga minha e foi pura tensão porque ninguém podia saber! Mas depois daquele dia, todas as tensões passaram e hoje eu sou uma beijoqueira profissional rs.
 

large-416

2- E como foi sua primeira vez? 

E2QU9jK-Isabela Freitas Pai, por favor, me perdoe. Eu te amo. Então, pra começo de conversa foi uma bosta. O meu namorado não acreditava que eu ainda era virgem (sim, e eu namorava ele por que? Sei lá!), e não me tratou como uma. Não que ele tenha sido grosso, não foi. Mas doeu pra caramba, e não foi nada romântico. E eu nem queria nada romântico, sabe? Só que poderia ter tido um pouco mais de carinho. E por um longo tempo eu não gostava de sexo. PRONTOFALEI. Achava sexo uma bosta, do tipo, AHN, É ISSO QUE AS PESSOAS GOSTAM? SERIO? Mas ai aprendi que sexo bom tem que ter sentimento. Então vão por mim. Não façam por fazer

 

 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte (tem como bloquear o site para o meu pai não ler isso? hahaha) poouts, minha primeira vez? Posso dizer que foi na hora certa, demorei um bom tempo pra perder a virgindade, sério, bom tempo mesmo comparado ao resto das minhas amigas (não estava esperando o amor da minha vida aparecer, não acredito nisso) porque queria que fosse algo que eu não me arrependesse. Foi com um cara que tava longe de ser um príncipe encantado mas que eu confiei o suficiente para que rolasse. NÃO FOI PERFEITO, NÃO FOI QUE NEM FILME, mas era o momento certo. 

 

image (1)Anna Schmidt Nada do que pensei que seria. Perdi a virgindade com um cara que era um príncipe, incrível mesmo, mas o tesão nele não era dos melhores. Na hora H, ele tentou ser cuidadoso, mas, no final, eu nunca chegava "lá", era sempre sobre o que ele achava melhor, sobre o que trazia prazer pra ele e assim funcionava. Com o tempo, comecei a achar que eu não curtia sexo, que tinha alguma coisa errada acontecendo comigo. Aí conheci o meu segundo. O meu segundo foi incrível. Ele era um cara carinhoso, amoroso, bom de cama e eu amava tudo o que a gente fazia. Por isso sempre digo por aí: esse tabu da primeira vez precisa ser quebrado. Nossa primeira transa não é, necessariamente, a mais marcante. A mais especial. Falo pra quem quiser ouvir: o meu segundo apagou absolutamente tudo o que eu costumava pensar sobre sexo. Não é sobre a primeira vez… É sobre o primeiro orgasmo, sobre o primeiro cara que te fez sentir desejada de verdade…

 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich Foi normal. O que vou escrever sobre isso? Hahaha. Não teve pétalas no chão, nem música romântica nem momento mágico. Na verdade tinham que parar de criar esta expectativa nas adolescentes que ainda não tiveram sua primeira vez. É um misto de tesão pela coisa, com pitada de medo e expectativa do “vou gostar?”. Não existe primeira vez boa, existe primeira vez relax que é basicamente o cara não ser um coelho em cima de você, porque né, vc não é obrigada. Doer doí sim, mas não é este monstro que pintam. Se doeu ABSURDOS MEU DEUS QUASE MORRI já é um claro sinal que escolheu errado, ele basicamente NÃO SE IMPORTOU COM VC, ou seja, te tratou como um buraco para o pau dele.
 
 

julieJulie Cordeiro, Posso dar um conselho aqui? Bom, meninas e meninos, só façam quando sentirem que estão preparados e não fiquem apressando as coisas só porque todas as suas amigas já transaram e você não. Cada um tem o seu tempo, esqueça os outros. 

 

 

 

 

125Nathália CarolineFoi bonito, foi…….. foi intenso, foi verdadeiro….. mas sincero……… 

 

 

 

 

 

large-417

3- Você acha que já se apaixonou? Como foi? 

E2QU9jK-Isabela Freitas Acho que a paixão pode ser definida de diversas formas na nossa vida. Posso citar aqui a vez em que conheci um menino chamado Guilherme em Porto Seguro quando eu tinha apenas 12 anos. E sim, eu me apaixonei por ele perdidamente. Passamos uma semana conversando, aquela paixão de criança, infantil. Ele me deu uma pedra, uma concha, uma cartinha. E no final nos despedimos, e sequer um beijo foi dado. Mas eu ainda lembro dele, e da sensação que senti quando o conheci. Claro que eu não sabia nada sobre o amor, eu era uma criança. Mas por que não dizer que foi uma paixão? Porque foi. A paixão surge dos lugares mais inesperados, e cara, um dia você vai olhar para uma pessoa e perceber que está perdidamente apaixonado por ela… E que é ela. Sempre foi ela. Vai ser ela. Mesmo que vocês se conheçam a anos, ou a horas. A paixão precede o amor.

 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte já sim, umas três vezes e quebrei a cara nas três ! Dedo podre? Uns não tem, outros adquirem com o tempo, já eu, nasci com, aperfeiçoei com o tempo e hoje em dia tento conviver com esse 'dom'. A primeira vez, que eu achava que tinha me apaixonado, eu tinha 8 anos, menos 3 dentes na boca, uma janela que dava pra colocar canudinho, usava um óculos que pareciam dois bambolês e tinha uma bolsa de poodle achando que arrasava e o boy me trocou por outra menina só porque ela era loira. COMECEI BEM A MINHA VIDA AMOROSA. A primeira realmente eu já contei pra vocês, foi a do meu príncipe de 15 anos e a minha prima bovina no meio, a segunda foi logo que eu entrei na faculdade, me apaixonei por um cara que não tinha NADA A VER comigo e que vinha com um brinde chamado EX NAMORADA DOENTE, PSICÓTICA E QUE ME AMEAÇAVA e ele era um BUNDÃO que não sabia por um ponto final nas histórias e a terceira eu contei como eu conheci ele num dos primeiros post, mas resumindo o depois: vivíamos em pé de guerra, nunca nos entendíamos, quando começamos a nos entender , ele foi morar 1 ano na Califórnia e voltou namorando. FIM. ~ POR ISSO QUE EU TENHO TRAUMA DE RELACIONAMENTOS ! 

image (1)Anna Schmidt Acho… E foi incrível. Encontrei nele tudo aquilo que eu só ouvia falar nos filmes: um cara maravilhosamente engraçado, uma companhia gostosa de se ter por perto, um homem que era carinhoso com a mãe, que me respeitava como mulher e que me completava como namorado. O "Felipe" me fez sentir amada de um jeito muito nosso, muito íntimo. Acho que, pra mim, se apaixonar é estar numa ponte altíssima, onde o final é totalmente desconhecido. Pode ser água, pedra, fogo, pode ser uma queda infinita, mas, mesmo assim, você pula. Se joga de cabeça. Esse cara me segurou quando eu cheguei lá embaixo. Hoje em dia, a gente mudou. Sabe o que é mais engraçado? Se eu voltasse no tempo, pularia de qualquer forma. Se isso não é amor, então realmente não sei o que mais pode definir…

 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich   Óbvio! Um monte de vez! Paixão é leviano, é rápido, certeiro. Começa tão ligeiro que quando perceber já foi embora. Todo amor primeiro foi uma paixão mas, nem toda paixão vira amor. Filosofei agora. Paixão eu sinto pelos meus livros, pelo meu gato (que foi roubado e ainda dói lembrar, snif), pelas minhas roupas, minha cama e minhas maquiagens. Senti paixão pelo rapaz que beijei pela primeira vez, pelo meu colega de classe da 6°, 7° e 8° série. Cada ano uma paixão nova para suspirar. Ter este sentimento é ter vida. Tem que se apaixonar por tudo mesmo, é o que dá adrenalina aos nossos dias (y).
 
 

julieJulie Cordeiro, Olha aquele menino ali. Nossa, que cara lindo. Nunca vou saber o nome? Confere. Nunca minha vida irá cruzar a dele novamente? Confere. Ele é bonito?Confere. Opa, acho que apaixonei. Sou cheia de paixões platônicas, mas paixão, paixão mesmo eu tive apenas uma durante minha vida toda. É um ex-amigo que estudou comigo desde que me entendo por gente e eu fui crescendo e a paixão continuava. Éramos amigos, mas eu nutria sentimentos maiores porque ninguém manda no coração. Ele não sabia, ninguém sabia, mas eu sempre senti. Tive oportunidades de ficar com ele, porém eu era tão criança que ficava com medo dele não gostar de mim (oi?). No ensino médio eu mudei de escola e aos poucos a paixão acabou. Fim. 

125Nathália CarolineCara, foi muito gostoso! Não tem coisa mais gostosa que aquele friozinho na barriga ao ver a pessoa, escutar uma música e mandar um "Aqui, lembrei de você", ter um beijo roubado, receber e mandar uma mensagem às 3 da manhã, escrito "eu tr amp" (eu te amo em álcoolês), sentir um perfume e lembrar do dito cujo, fazer coraçãozinho no caderno, etc. Até quando não é correspondido é gostoso (na hora, não, mas futuramente, sim) porque você amadurece. Todo mundo que quebra a cara por causa de relacionamento, muda. E, ao passar dos anos, quando você olha pra trás e vê a pessoa que você é hoje, compensa. Eu diria que se apaixonar é tipo beber um chocolate quente: você sabe que vai queimar a língua, vai doer, mas mesmo assim, você sabe que vai valer a pena, porque é bom. 

large-418

4- Já mudou o grupo de amigos alguma vez? Se viu sozinho e teve que começar tudo de novo?

E2QU9jK-Isabela Freitas Já. Com certeza já. Mas eu gosto de mudanças, e não me importo de ser "sozinha". Eu até que gosto dos meus momentos sozinha, sabe? Me sinto independente, dona de mim. 100%. Claro que quando me vi sem minhas amigas me senti um pouco mal, mas logo depois encontrei minhas duas melhores amigas atuais, Pati e Duda <3 e eu percebi que as vezes as pessoas certas estavam sempre ali, esperando para entrar na nossa vida, nós é que não demos nenhuma chance para que isso acontecesse. As duas estudaram comigo no colégio e não éramos próximas. Mas a vida nos aproximou <3 E HOJE TEM NOITE DO PIJAMA HEINNNNN!

 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte JÁ! Já fui excluída e já tive que tentar me adaptar inúmeras vezes. Mudar de sala no colégio e de escola no ensino médio : meus dois traumas sociais. Mas fui aprendendo a lidar com isso, já que passava de grupo em grupo pra tentar achar um em que eu me encaixasse. Hoje eu vejo que, mesmo depois de todos os traumas, isso me fez bem, eu aprendi a me adaptar em diversas situações e a aturar vários tipos de pessoas. 

 

 

image (1)Anna Schmidt Incríveis várias vezes. Demorei muito pra encontrar as minhas melhores amigas. As pessoas são naturalmente esquisitas. Se você não agir/falar/andar/pensar da forma como elas fazem tudo isso, você é automaticamente cortada… Finalmente encontrei um grupo de amigas incríveis que, magicamente, são completamente diferentes umas das outras! O importante mesmo é saber entender que você não pode se contentar com amizades falsas… Com pessoas que só te colocam pra baixo… Tem sempre alguém disposto a te aceitar e amar pelo que você é!

 
 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich Fiz isso umas 7 vezes no mínimo por mudar de cidade. Isto que foram 3 cidades diferentes mas toda vez que ia embora e retornada o círculo de amigos mudavam, exceto por algumas amizades. Quando eu digo que sou gente fina vocês tem que acreditar em mim (EHuHEUhUHE) eu nunca me vi sozinha, sem amigos, sem uma alma penada para conversar. Sou fácil de se relacionar. Por isso tenho muitos círculos de amizades e na verdade eu sempre estou entrando em contato com novas pessoas, formando novos vínculos e mantendo os velhos (e bons) claro. Eu gosto porque estou sempre aprendendo algo novo, seja exercendo a minha paciência com o tipo da pessoa ou crescendo como ser humano.
 
 

julieJulie Cordeiro, Duas mudanças drásticas, a primeira quando mudei de escola no ensino médio e a segunda quando entrei pra faculdade, entretanto durante esse percurso eu sempre ia adaptando os meus grupos de amizades. Fulano está me fazendo mal? Me afastava, fazia novos amigos, acabava amizade, encontrava outros amigos, esse ciclo é eterno. Durante a vida nos temos dois tipos de amizades: as duradouras e as passageiras. As duradouras são poucas e raras, essas nós temos que cuidar, amar e ajudar. Já as passageiras são mais fáceis de encontrar, todo mundo tem, essas nós precisamos aproveitar cada momento junto, cuidar, amar e exercer o desapego quando for a hora. 

125Nathália Caroline,Váaaaarias vezes. Eu estudei em 3 escolas diferentes e no curso de inglês, eu mudei de turma umas 5 vezes, então isso é normal pra mim. Eu sou uma pessoa que adora essas mudanças radicais na minha vida e me faz bem conhecer gente, história, lugares e experiências novas. Se o ano nunca acabasse, a escola/faculdade perderia a graça porque seriam sempre os mesmos professores, a mesma sala e o mesmo caderno. Por melhor que sejam, uma hora você vai estar saturado e vai precisar renovar. A mesma coisa é a vida; de tempos em tempos, é necessário mudar os ares. Mas, claro, isso não significa esquecer o passado e as coisas antigas. 

large-419

5- A primeira vez que você chorou por amor? Lembra?

E2QU9jK-Isabela Freitas Sim. Eu chorei porque machuquei alguém. E cara, nossa, to me sentindo uma babaca de falar isso…

 
 
 
 
 
 
 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte Ô SE LEMBRO! Aquele menino quando eu tinha 8 anos realmente me fez sofrer por eu não ser loira HAHAHHAHAHAHA mentira, chorei realmente por causa do meu príncipe durante uma semana, mas depois superei por minha mãe ser insensível e me zoar todas as vezes que eu estava chorando! Hoje eu não choro mais, bjs! ~ tenho bloqueio por achar que qualquer um pode me frustrar do mesmo jeito. 

 

 

image (1)Anna Schmidt Lembro. Eu namorei por 2 anos e alguns meses quando era muito novinha. Fui completamente apaixonada pelo cara, nós dois vivíamos grudados pra cima e pra baixo, éramos melhores amigos. Pouco antes de contar pra esse cara que eu era apaixonada por ele, descobri que ele ia sair da escola e se mudar pro Rio (na época, eu morava em Cabo Frio), lembro que senti o meu corpo inteiro ficar vazio. Um nó horrível ficou preso na minha garganta. Quando olhei pra ele, ele me deu um puta de um abraço e eu chorei horrores, muito mesmo, foi a primeira vez que chorei por amar (demais) alguém. Graças a Deus, a distância não atrapalhou, depois desse dia, quase 3 aninhos de muito amor marcaram a nossa história juntos…

 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich Para ser sincera e até preocupante, eu nunca chorei por amor de felicidade. Aquele choro de sentimento transbordando por algo bom que aconteceu. Claro que sinto o amor e aquela sensação gostosa dentro do peito, a felicidade por estar aonde estou mas nunca isto com lágrimas. A primeira vez que chorei foi por decepção pela pessoa que eu alimentava amor. Mulher é tudo trouxa mesmo. Não foi bom, não é legal e hoje engulo seco e só digo uma frase: “Não preciso disso querido”. Ou muda OU MUDA porque tempo não significa nada pra mim se a pessoa não me faz mais bem. Dou tchau e bênção mesmo, e quando menos se espera.
 
 

julieJulie Cordeiro, A primeira vez eu não lembro, mas acho que foi quando o Léo(minha paixão lá de cima) segurou a mão de outra menina na minha frente. A lembrança que me veio a cabeça foi  quando eu precisei tomar uma decisão que feriu muito uma pessoa que amo. E essa pessoa chorou na minha frente, me perguntou se ela merecia tudo o que eu estava fazendo. Sempre dói ver alguém que amo sofrendo por minha causa, até hoje eu sofro quando me lembro desse dia. Eu chorei e ainda choro sempre que lembro. Mãe, queria pedir desculpas e dizer que eu te amo muito. 

 

 

125Nathália Caroline,

Lembro! Foi ma

is ou men

os: 

"Te amo, te amo, te amo, mas você não me dá bola; eu vou me afundar num copinho de Coca-Cola" com direito a rímel borrado, cara inchada e pote de sorvete.

 

 

large-420

6- Deixa um recado sobre o tema, ou conta alguma história 

Emoticon gr

E2QU9jK-Isabela Freitas Primeiras vezes nos assustam. Podem ser intimidantes. O primeiro beijo naquela pessoa que você está desejando tem tempo, a primeira vez, a primeira conversa, o primeiro dia de aula, o primeiro dia de trabalho… Mas pense. Todas histórias começam com primeiras vezes. É como arrancar um band aid. Depois que passa, é só fechar os olhos e se permitir ser feliz.

 
 
 
 
 

Processed with VSCOcam with m3 presetCaroline Monteforte TODAS AS PRIMEIRAS VEZES DÃO MEDO! O primeiro beijo não tem mais como mudar, porque provavelmente vocês já beijaram (!) mas a primeira vez, se não rolou ainda, não fiquem idealizando, ela não vai ser igual a que passa na malhação onde tudo é lindo e os casais estão disponíveis geneticamente para se envolverem, mas também não vai ser a pior coisa do mundo, vocês tem que escolher a pessoa certa (NÃO ESTOU FALANDO PRA SÓ TRANSAREM COM O CARA QUE VÃO CASAR, ESQUEÇAM ISSO), que te passe confiança e que você saiba que aquela pessoa vai te tratar com respeito e carinho, só! Não existe manual, é o momento e tem a ver com vocês dois. E em relação a se apaixonar: NÃO SE APAIXONEM ! ISSO É COISA DO CAPIROTO! ~ mentira! Se apaixonem sim, mas antes de gostar de alguém, procurem gostar de vocês mesmas, podem ter certeza que amor próprio diminui 80% das chances de decepção e é super normal um romance acabar e não dar certo, vocês tem que acreditar que tudo vai se ajeitar e logo aparecerá outro amor. 

 

image (1)Anna Schmidt As primeiras vezes marcam… Mas elas não definem. Se o primeiro beijo foi ruim, isso não quer dizer que o segundo não vá ser bom, também. Se a transa com o primeiro cara da sua vida foi uma experiência triste, frustrante, é importante saber que existem segundas vezes. Terceiras. Quartas. Nunca defina aquilo que você é, o que você sabe fazer, ou o que você pensa de você, baseado na sua primeira vez. A beleza do mundo é que a gente tem a chance de fazer tudo de novo. Quantas vezes acharmos necessário. Então erre, tenha experiências engraçadas, colecione histórias pra contar. No final dessa maluquice toda, o importante é que, pra todos esses deslizes, existe uma finalidade… O aprendizado. A evolução. Já ouviram aquele ditado: "a prática leva à perfeição"? Pois é. Preciso mesmo falar mais?

 
Processed with VSCOcam with g3 presetCaroline Redlich Um caso para vocês: Bom, eu sempre fui magricela, esquelética, alta e loira. Para o biotipo “moça bonita que chama atenção na escola” eu estava longe, a única coisa que ouvia dos rapazes e das mães dos meus colegas era “pq você não vira modelo?! Tem tipo einnnnn!”. Como era chato isso, AFF. Resumindo, a magricela que todo mundo queria ver em uma passarela mas que nenhum garoto queria ficar (ficar naquela época era beijar ta, e só). Até que o rapaz sensação da rua quis ficar comigo e como ele era gente fina, legal, O Cobiçado pensei: Por que não, né. Pois não foi nada legal, além de eu não saber o que fazer, a cada beijo eu tinha que me secar porque ARGH, era mais baba do que beijo. Vazei fora daquela experiência horrível de beijo jurando que nunca mais iria beijar, nem ele nem ninguém. Uma semana depois eu estava dando umas bitocas na minha paixão da 6° série  :D   E VIVA AO BEIJO!
 
 

julieJulie Cordeiro, Quem disse que primeiras vezes foram feitas para serem ruins? A maioria das minhas primeiras vezes foram boas. Tudo depende de você, esteja bem consigo mesma que o resto flui. Aproveite todas as suas primeiras vezes, procure ficar tranquila, não deixe o medo de fazer errado ou de não saber fazer tomarem conta.  Dê o seu melhor em tudo que fizer, tenha em mente que apenas quem tenta corre o risco de errar. A primeira decepção, o primeiro amor, o primeiro porre, o primeiro beijo, a primeira vez, são coisas que marcam. Ame as suas primeiras vezes porque o frio que dá na barriga é difícil de repetir nas segundas

 

125Nathália Caroline, Geralmente, a primeira vez vem junto com a insegurança e muita gente deixa de aproveitar (ou, até mesmo, de fazer) certas coisas por conta disso. E eu não to falando só daquiiiiilo, é de um modo geral, mesmo. Então, o recado que eu dou é: vamos deixar o medo guardado num potinho e aproveitar enquanto a gente ainda é jovem e tá cheio de primeiras vezes ainda porque quanto mais velho a gente vai ficando, menos desses momentos a gente vai tendo. Quantas vezes você deixou de aproveitar um momento por medo/insegurança e depois viu que não era nada demais? Que a falta de experiência ou o erro eram normais, e te fizeram treinar e chegar no que você é hoje? Esses momentos são únicos na nossa vida, a gente tem que aproveitar o máximo a sensação de novidade, pra não se arrepender depois. Uma das piores coisas da vida é você olhar pra trás e pensar "Cara, eu poderia ter me entregado e me envolver mais.".
 
 

E vocês? O que tem a contar sobre o tema? Vamos fofocar nos comentários!

Isabela Freitas

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. E aí, pronto para mudar a sua?

Conte Sua História: “Quero dar um fim em tudo”

Conte Sua História

Para quem não conhece, a coluna Conte Sua História é uma coluna onde eu pego uma história que me mandam por email ([email protected]), coloco aqui no blog (sem divulgar nomes, fiquem tranquilos!), e dou um conselho como uma amiga/amigo faria com você. Só peço que não mandem histórias muito extensas senão fica difícil de responder e analisar. Contem o caso de uma forma geral, sem coisas do tipo "No dia 3/4 de 2012 ele me beijou". Hahahaha. Combinado?

large-414

Olá Isabela! Sou a LB. Antes de mais nada, quero dizer que sou péssima em português e em expressar. Talvez não vá entender muito o que eu quero te passar. E sinceramente se não entender, não tem problema, preciso desabafar. Tenho 25 anos, sou insuportável de viver perto, sou chata, ignorante, bruta, tudo que você possa pensar. Talvez nem seja isso tudo, mas consigo só enxergar isso em mim. Sempre tive crise existencial, juro que não entendo porque vim pra esse mundo, me acho inutil, e ultimamente tem sido cada vez mais presente e forte essas crises. Nem sei se posso me caracterizar como uma pessoa depressiva, mas hoje em dia só tenho vontade de chorar. Viu, não sou nada fácil. 

Tenho 3 irmãos, sou a terceira, perdi meu pai com 11 anos de idade, nunca consegui ter um relacionamento bom com ela, brigo demais, sei lá não sei explicar minhas atitudes em relação a isso, minha mãe é um amor de pessoa, todos a amam, querem tê-la por perto, mas eu não consigo estabelecer um relacionamento com ela onde eu possa confiar. Não sei te explicar. Eu queria tanto conseguir soltar o que está aqui dentro, conseguir colocar em palavras, preciso de ajuda, eu tô pra dar um fim em tudo…
 
Eu não consigo ter prazer de estudar, trabalhar, de viver, queria gritar pra todo mundo ME AJUDA! Mas não consigo. Eu sei que se eu gritar todos irão querer saber porque eu quero ajuda, mas eu não saberei explicar. Só nasci pra errar, juro que até nas coisas que acerto eu erro. Não tenho amigos, nunca tive. Sempre consigo escapar, tenho essas atitudes agressivas… Porque pra mim todos irão me trocar, me abandonar, cara… Eu to escrevendo agora enquanto algo aperta o meu peito, porque enquanto escrevo pra você, estou tendo outra discussão com a mulher que eu mais amo. Isabela, você entende isso? Eu amo ela demais, meu medo é perdê-la, um dia não ter ela mais aqui… Mas não consigo, não consigo expressar isso, e nesse momento Isabela, penso em dar um fim a tudo isso. Eu não nasci pra ser FELIZ…
L.B, tudo bem? Sei que não sou nenhuma profissional para diagnosticar você, mas posso te dizer como uma amiga que você deve procurar um médico psiquiatra para saber que mal que te assombra. Se é depressão, bipolaridade, não sei. Eu realmente não posso te dizer. Mas alguma coisa dentro de você fica te dizendo que você não é suficiente, que você é ruim, que você nunca vai conseguir ser feliz. OXI! Que absurdo. Você é uma garota magnifíca, não tenha dúvidas disso. Não tenha vergonha de ser quem você é, esse seu jeito de querer afastar as pessoas, de se dizer agressiva… Para com isso. Você não é agressiva. Me mandou um email, está pedindo ajuda… Você é uma garota como qualquer outra!
 
Só que você tem medo de não corresponder as expectativas das pessoas. E eu entendo isso. Entendo que pode ser assustador viver com o medo de não ser o que todos querem que nós sejamos. Mas você precisa colocar na sua cabeça que você pode mais. BEM MAIS. Você tem 25 anos, olha que idade maravilhosa. Por que não conhecer pessoas novas? Fazer amigos? Não é tarde para isso. Nunca é. Sabia que aos meus 19 anos todas minhas melhores amigas viraram a cara para mim? E o que eu fiz? Me repreendi? Me senti a pior pessoa do mundo? Me fechei para o mundo? Não! Eu fiz novas amizades. Entende? Nunca é tarde para começar de novo. Você pode começar de novo… Abandonar todas essas memórias que te assombram. Abandonar a imagem que você tem de você mesma. Seja quem você quiser ser.
 
Trabalhe, estude, se dedique a um hobby, faça aulas de alguma coisa, qualquer coisa. Tudo para que você se insira em algum meio social. E aí conheça pessoas… Se permita gostar das pessoas… Elas podem ser incríveis. Te garanto. E não vão te abandonar se você der boas razões para que elas continuem. 
 
Quanto a sua mãe, por que você não escreve uma carta para ela, dizendo tudo exatamente da forma em que você me disse aqui? Você não se abriu comigo? Então! Se abra com ela. Se você não consegue falar, que seja escrevendo… Mas você precisa dizer o quanto a ama. O quanto seus sentimentos se confundem as vezes. O quanto você precisa (e ela vai te ajudar com isso) de ajuda. Me promete que irá fazer essas coisas?
 
Nunca pense em dar um fim a sua vida. NUNCA. Você vai ver que com esse post muitas outras pessoas te dirão o mesmo, e quem sabe até não faz algumas amizades na internet? Sei que tem muita gente legal por aí :) basta querer.
 

E você, qual o seu conselho para a LB? Fiquei preocupada com ela também. Toda a ajuda de vocês é indispensável. Comentem.

Isabela Freitas

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. E aí, pronto para mudar a sua?

Se tivesse dado certo não seria eu

Contos e Crônicas

large-413

Mas se tivesse dado certo certamente não seria eu. Por que eu tenho essa mania de estragar as coisas, de ficar inquieto e querer mexer no que tá certo. Eu tenho esse fogo de não conseguir manter firme as coisas já tão belas. Eu quero modificar, eu quero mudar, eu quero virar do avesso. Só que eu sempre me esqueço que ninguém nasceu assim, maluco igual a mim.

Não que eu me arrependa de ser essa metamorfose ambulante, mas às vezes me pego pensando nas coisas as quais perdi por ser assim. Principalmente nas pessoas que perdi por ser assim. Não foram poucas não, eu acho que eu já fui mais eus que eu líricos em textos meus. Não são mascaras nem disfarces, são estágios e evoluções incessantes. Incrível como a gente muda, como as pessoas nos fazem crescer. O triste é quando aprendemos que cada um tem sua velocidade, e que ao final alguém sempre ficará para trás.

A gente tinha aquele romance bonitinho nada clichê, aquela novela semanal nossa, aquela rotina que conseguia prender um maluco oscilante como eu. Só você mesmo para tirar de mim todas aquelas opções de fast-food e me fazer virar cliente número um do Spoleto. Só você para transformar o cinema na minha segunda casa. Só você tinha aquele dom de fazer eu não ser exatamente eu. E eu particularmente adorava isso.

Enquanto todos os casais curtiam aqueles jantares românticos e baladas de sábado, a gente fazia compras no shopping e zerava todos os jogos de vídeo game que comprávamos toda semana na feira. Você era um tanto peculiar, você tinha os gostos fantásticos, você me ensinava sobre a DC e a Marvel, você sabia mais sobre a Disney do que eu, você tinha a estante incrivelmente mais nerd que a minha. E isso te tornava, dentro de um mundo particular meu, perfeita.

Se não tivesse que querer mudar as coisas não seria eu. Essa coisa chata de achar defeito em tudo, de querer mudar as pessoas, de querer moldar comportamento alheio quando essência não se modifica. Oh teimosia desgramada essa minha de cutucar ferida cicatrizada. Eu às vezes acho que mereço sofrer um pouquinho, às vezes mereço mesmo. Para que ser tão teimoso, tão egoísta, tão perfeccionista?

A felicidade está nas pequenas coisas, no sorriso que ninguém viu, no abraço que só você sentiu. O amor não é tão maleável assim, não é variável, inconstante. Ele simplesmente é. E quando 'é' a gente aceita. E quando a gente deixa de aceitar o mundo roda e fica dependurado sob nossos preceitos pessoais tão mesquinhos.

Com certeza se sua vida cruzasse a minha hoje, tudo seria diferente. Eu não sou mais o menino que costumava ser. Eu evolui, metade dos defeitos passados ficaram para trás, alguns permanecem, é claro, ninguém é perfeito. Sei que você também. Mas de qualquer forma, talvez hoje você não fosse quem você é se não fosse por mim, assim como eu não seria quem sou se não fosse por você na minha vida. São os acasos graciosos da vida. Nuances de realidade, probabilísticos e impossíveis, no presente já vivido que está escrito a caneta no peito de cada um de nós.

Eu sinto sua falta também. Você era, antes de um grande amor, uma amiga fantástica. Sua companhia quando recordada só traz saudades. Talvez tenha que ser assim mesmo, as pessoas mudam, não tem jeito. Ás vezes ainda acho que ninguém merece um maluco como eu, mas na verdade, eu que peço desculpas, por ter deixado você partir da minha vida de uma forma tão… tão infantil, é.

Mas cartas passadas ainda trazem boas lembranças, garanto que você as tem ai também. Eu to bem sim, obrigado. Agora eu trabalho, tenho meu dinheiro, continuo amando a Marvel e a Disney, e aposto que minha estante é muito mais nerd do que a sua, enfim. Mas nunca mais a lasanha do Spoleto foi a mesma…

Você pode não ter sido o amor mais intenso, a historia de amor mais bonitinha, a pessoa que mais cativou meu mundo, mas sem dúvida, você foi única, e me deu a melhor amostra do que se é partilhar uma vida a dois. Obrigado!

Sabe, eu sinto falta de muitas coisas. Os jogos salvos no meu Wii continuam na mesma fase, seus recordes do Just Dance continuam em 90% das músicas (tenho gingado também ué), no espelho ainda vejo o desenho que você deixou como marca que passou por aqui. Mas o que mais sinto falta era quando de manhã eu acordava e me encostava na sua cama, o sol já atravessava a janela entreaberta do seu quarto, e quando você abria os olhos sonolentos o verde invadia todo o comodo, invadia meus olhos e tomava todo o meu mundo, de uma intensidade que eu nunca fui capaz de exprimir em palavras e de te contar.

Mas nessa vida o importante é ser feliz, meu amor. Então continue sendo, você merece muito mais!

Tenho 22 anos, formando em engenharia civil, músico e escritor. Apaixonado por séries, livros, tatuagens e felinos. Exagerado, tímido e apaixonado. Gosto de falar sobre o amor e o cotidiano; um livro totalmente aberto: www.kauedepaula.blogspot.com.br https://twitter.com/Kauepereiradp

Vídeo: Isso é amigo de verdade

Vídeos

Oi, gente. Tudo bem com vocês? Ontem me emocionei ao assistir um vídeo que aparentemente era de um amigo cantando no casamento do melhor amigo. Até ai, tudo bem. Mas o que eu não sabia era que o amigo tinha adaptado músicas famosas, e feito novas letras, dedicando ao noivo. Tudo isso da forma mais fofa e verdadeira possível.

Isso me fez pensar em como esse cara que estava casando é sortudo, sabe? De ter um melhor amigo assim. É difícil. De verdade. Ter um amigo que te ama mesmo que você esteja namorando, que te entenda, que te coloque em primeiro lugar como se vocês dois fossem um só. Isso é muito, muito raro. E se você é capaz de olhar para o lado e enxergar alguém assim, parabéns.

Vocês vão amar o vídeo.

Seja um amigo de verdade para alguém. Amizade é a melhor coisa que existe.

Isabela Freitas

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. E aí, pronto para mudar a sua?

Conte sua História: Apanho do meu pai e do meu namorado

Conte Sua História

Para quem não conhece, a coluna Conte Sua História é uma coluna onde eu pego uma história que me mandam por email ([email protected]), coloco aqui no blog (sem divulgar nomes, fiquem tranquilos!), e dou um conselho como uma amiga/amigo faria com você. Estou com um projeto de responder uma história por dia aqui no blog, e quero que vocês me ajudem a manter essa periodicidade. Só peço que não mandem histórias muito extensas senão fica difícil de responder e analisar. Contem o caso de uma forma geral, sem coisas do tipo "No dia 3/4 de 2012 ele me beijou". Hahahaha. Combinado?

large-30

"Olá Isabela, tenho 19 anos, e sou a LM. Pra resumir a história vou contar minha vida como um todo.

Meu pai sempre bateu em minha mãe desde de que ela estava grávida do meu irmão mais velho. Ele bateu muito em nós 3 a vida toda, tentou matar meu irmão várias vezes. Depois de 20 anos minha mãe se separou dele, mas ele conseguiu 2 bons advogados e ficamos com uma pensão muito baixa. Meu irmão tem transtorno bipolar, não pudemos arcar com as contas, e minha mãe acabou casando com ele novamente. Hoje em dia ela tem um amante, todos os fins de semana e feriados dorme fora. Meu pai ficava furioso e descontava em mim e meu irmão brigando muito. Meu irmão está cada vez pior. Minha familia toda sabe dessa vergonha e ainda ficam me perguntando o que eu faço pra mudar isso.

Faz ano e meio que estou com meu namorado, e faz 1 ano que vim morar com ele pra fugir do pesadelo que é minha casa. Poucos meses depois de morar junto ele começou a me bater muito, sempre diz que vai me matar me estrangulando, me dá chutes, murros e me enforca muito, me humilha muito, grita, quebra os moveis. Os vizinhos sabem de tudo, tenho muita vergonha, depois ele se arrepende pede perdão diz que surta e não consegue se controlar, que vai tentar mudar, mas sempre faz de novo. Apanho quase toda semana.

Eu tentei voltar pra casa várias vezes, mas sempre que estou lá meu pai surta porque minha mãe não volta pra casa depois do serviço e nem nos fins de semana. Meu irmão surta junto. Meu pai cobra de mim que faça minha mãe parar.
Ameaça sair de casa e nos deixar passando fome pois agora não temos dinheiro nem pra pagar advogado. Temos muitos gastos com meu irmão.
E depois que eu sai de casa meu pai não tem com quem brigar mais, pois meu irmão não entende muita coisa, ele empurra com a barriga a situação.

Não sei mais o que fazer eu ganho 450 no estágio não tenho dinheiro pra morar sozinha. Preciso estudar pra conseguir levar a faculdade. Morando com meu namorado consigo ao menos estudar pois ele geralmente briga comigo nos fins de semana em que não está trabalhando e estudando. Pensei de várias formas poder mudar essa situação mas não estou vendo uma solução.

LM. Acho que nunca peguei uma história como a sua em todos anos que eu tenho um blog. Porque uma história que se refere a relacionamentos, e coisas bobas do dia-a-dia nós damos um conselho em 5 minutos. Estou a meia hora encarando a tela branca do meu editor do blog sem saber o que te dizer. São muitas coisas, mas a primeira delas é que: você merece muito mais, garota. Você ainda vai conquistar o mundo, vou torcer muito por isso. Você vai dar a volta por cima, e vai esquecer e deixar no passado todas essas feridas que tanto doem nas suas costas. Tudo na nossa vida é uma provação, e com certeza a cruz que você está carregando é pesada demais. Mas você consegue. Vai conseguir.
 
Em primeiro lugar: sua mãe nunca deveria ter casado de novo com o homem que acabou com a vida dela e dos seus filhos. Portanto se espelhe na sua mãe, não repita os mesmos erros dela. Nem que vocês passassem fome, e fosse pedir dinheiro no sinal, ainda assim seria melhor viver em um lar tranquilo do que num lar agressivo onde o pai dá dinheiro, mas devolve com violência. 
 
Entendo que no momento você não tenha como se sustentar sozinha, mas a única solução plausível é essa. Você precisa sair da casa do seu namorado. PRECISA. Você quer que a história se repita? Que seus filhos sofram como você está sofrendo? Olhe seu irmão. O transtorno bipolar não foi fruto do lar que ele cresceu? Pense, menina, pense. Você tem amigas? E sua família? Se abra com alguém. Peça ajuda a alguém. Eu daria o meu quarto para uma amiga nessa situação. De verdade. E eu tenho certeza que você tem alguém assim por você… Uma tia, uma prima, uma madrinha, uma amiga mesmo. Alguém que divida o apartamento com você, que divida as despesas com você. Vá viver, voe sozinha. Enquanto você manter em sua vida todas essas âncoras que só te machucam e te colocam para baixo, nada vai dar certo.
 
Não aceite NUNCA que um homem levante a mão para você. Não apanhe calada. Não ache que esse é o amor que você merece. NAO É!! Nunca vai ser! Não é porque você apanhou a vida toda que isso vai se tornar normal, POR FAVOR! Conte para alguém que você confia. Termine com o seu namorado… Ele nunca vai parar. A violência é um vício, e uma pessoa descontrolada nunca vai deixar de ser assim nos momentos de raiva. Você merece amor, menina. Carinho, um lar aconchegante… Segurança. Me promete? Por favor? 
 
Assim que você conseguir alguém para dividir um apartamento, uma república (são bem baratas!), me dê notícias. E estude muito para ser independente e trazer o seu irmão para morar com você. Tá? Um beijo do tamanho do mundo. E muito amor.
 

E você, qual o seu conselho para a LM? Já passou por algo parecido? Vamos todos ajudar! Fiquei muito preocupada com ela.

Isabela Freitas

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. E aí, pronto para mudar a sua?